03/07/14

Obras Poéticas, de Nicolau Tolentino de Almeida

 Nicolau Tolentino de Almeida - poemas em pdf grátis
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).




---
Nicolau Tolentino de Almeida 


O último escritor do século XVIII que falta comentar é Nicolau Tolentino de Almeida. Como Filinto Elísio, Tolentino não tinha filiação arcádica. Ele ficou conhecido por suas composições satíricas, tanto em vida, nos salões de Lisboa, como depois, nos compêndios e histórias literárias.
Assim, como "fluente" poeta satírico, entrou Nicolau Tolentino na Antologia Nacional. A pequena nota biobibliográfica não menciona sua pobreza, como fizeram Fernandes Pinheiro e Camilo Castelo Branco. Fausto Barreto e Carlos de Laet limitam-se a informar que era um professor de retórica descontente e que lutou para conseguir "o lugar de oficial da secretaria do reino".
Entretanto, a Antologia Nacional escolheu um trecho intitulado "Autobiografia", onde o poeta fala de sua origem pobre, da formação intelectual em Coimbra cheia de dificuldades e de seu ofício como professor de retórica. Parte deste excerto tinha sido incluída antes na Seleta Nacional de Caldas Aulete, com o título de "Os primeiros anos de vida do autor".  Este excerto de quintilhas octossílabas, além de exemplificar, segundo a nota biobibliográfica, a "forma predominante" das composições de Tolentino, tem a vantagem de complementar os dados biográficos.

---
Fonte:
Marcia de Paula Gregorio Razzini
: “O espelho da nação: a antologia nacional e o ensino de português e de literatura - 1838-1971. (Tese apresentada ao Curso de Teoria Literária do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Letras na Área de Teoria Literária Orientadora: Profa. Dra. Marisa Philbert Lajolo – Unicamp).  Campinas, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário