22/11/14

Ilíada (Completo), de Homero

 Ilíada, de Homero
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).




---
A Ilíada

A Ilíada é considerada um poema épico. Segundo Pessanha, a palavra epopeia deriva dos termos gregos épos e poiéo. Épos significa palavra, e daí, discurso, narrativa, verso. O verbo poiéo quer dizer fazer, criar. Assim, etimologicamente, epopeia designa uma criação narrativa versificada (Pessanha, 1992, p. 31). O metro usado é o metro hexâmetro datílico (no caso da épica greco-romana), e a narrativa é bem estruturada em episódios.

O papel primeiro da epopeia é de celebrar e rememorar grandes fatos do passado, dignos de serem lembrados, com elementos sobrenaturais e maravilhosos (interferência divina, heróis com características excepcionais, etc). Sobre a epopeia, Lesky afirma:

(...) o facto de colocar a narração num passado mais ou menos distante faz parte das características da poesia heróica. Na maior parte dos casos, tais poemas têm um fundo histórico que permaneceu consciente apesar de toda a liberdade da elaboração. Apesar de ambas as epopéias se desenrolarem num passado longíquo, é natural que nelas se reflicta a situação social da época do poeta. (Lesky, 1995, p. 73)

Têm-se fortes indícios de que, de fato, houve uma guerra de Troia. Em meados do século XIX foi descoberto na Turquia um sítio arqueológico no qual havia diversas cidades sobrepostas. A esse conjunto foi dado o nome de Troia I, Troia II, e assim por diante, de acordo com a camada e a época em que se inserem cada uma dessas cidades descobertas.

Arqueólogos acreditam que a Troia mencionada na Ilíada seja a Troia VIIa, que tem sua datação por volta de 1230 a.C. Pereira afirma que existem outros fatos que corroboram essa tese.

Assim, há registros hititas de uma coligação de cidades da Ásia Menor, entre as quais uma que parece ser Tróia e outra que parece ser Ílion, em luta com uma coligação de cidades dos Aqueus, pelo séc. XIII a.C., precisamente na época do grande poderio de Micenas. (Pereira, 1993, v. 1, p. 53)

De acordo com a característica de composição de poesia épica, a Ilíada possui um narrador impessoal, o que reforça ainda mais a sua característica narrativa, e um herói de destaque, Aquiles. Há a invocação à Musa, que ajuda o poeta a relembrar os fatos, sendo ele apenas um instrumento da deusa.

Além disso, o herói épico possui a areté, a excelência ou superioridade, almejada pelo homem. Na Ilíada, podemos ver que a areté é dada por Zeus ao homem, de acordo com sua vontade, como podemos perceber nos versos 242 e 243 do livro XX da Ilíada:

Quanto ao valor, é Zeus que para os homens o aumenta Ou diminui, conforme entende; pois ele é superior a todos. (tradução de Frederico Lourenço)

A areté do herói se manifesta ou no campo de batalha, através de sua força e coragem; ou na assembleia, através do poder de persuasão e sabedoria do seu discurso. Daí, temos a denominação tardia de certos cantos como a aristeia (feitos de destaque) de um herói. O canto V da Ilíada é a aristeia de Diomedes (que após matar muitos inimigos, chega a ferir a mão da deusa Afrodite); o XI, de Agamêmnon (que também mata muitos inimigos); e o XVII, de Menelau (que com custo defende o corpo de Pátroclo da rapina dos troianos).

A respeito da aristeia, Jaegger ressalta que ela visava, além de fornecer quadros
particulares de uma ação de conjunto, por em relevo o valor de todos os heróis famosos. Para o pesquisador alemão, a Ilíada narra a maior aristeia de todas: a de Aquiles. (2003, p. 72 e 75).

Abordaremos a Ilíada novamente no próximo capítulo, detalhando mais o seu enredo, estilo e construção de personagens.


---
Fonte:

Priscilla Adriane Ferreira Almeida: “Ilíada Latina: tradução e estudo literário da adaptação da Ilíada de Homero na antiguidade latina”. (Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em Estudos literários da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito para obtenção do título de Mestre. O presente trabalho foi realizado com apoio da CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil. Orientador: Prof. Dr. Matheus Trevizam). Belo Horizonte, 2012

3 comentários:

  1. Projecto muito interessante. Agora, aos 71 anos, vou podendo fazer algumas das coisas que me interessam (para além do meu trabalho de que também gostava, mas era mais técnico). Comecei a ler sobre a História da Grécia Antiga e para apoiar essa leitura encontrei aqui a Ilíada e a Odisseia. Muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é muito engraçado, Carlos. Sempre que vejo pessoas que trabalhavam com coisas "mais técnicas", ao se aposentarem, dedicam se à literatura e filosofia. Eu, que faço mestrado em literatura clássica, espero que, ao me aposentar, dedique me a "coisas mais técnicas". A gente nunca tá satisfeito mesmo, né? Ou a gente gosta de se completar com o outro. Boa viagem com a Ilíada e a Odisséia. Depois leia a Eneida também, você vai gostar.

      Excluir
    2. Isso é muito engraçado, Carlos. Sempre que vejo pessoas que trabalhavam com coisas "mais técnicas", ao se aposentarem, dedicam se à literatura e filosofia. Eu, que faço mestrado em literatura clássica, espero que, ao me aposentar, dedique me a "coisas mais técnicas". A gente nunca tá satisfeito mesmo, né? Ou a gente gosta de se completar com o outro. Boa viagem com a Ilíada e a Odisséia. Depois leia a Eneida também, você vai gostar.

      Excluir