12/01/14

Poemas de Euclides da Cunha

 Euclides da Cunha - Poemas - Iba Mendes
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(Download)

Os livros estão em ordem alfabética: autor/título (coluna à esquerda) e título/autor (coluna à direita).  


---

Euclides da Cunha

[...]
Euclides da Cunha acreditava firmemente no modelo platônico, o qual preconizara um governo dos sábios. Para ele, investir na educação e em tudo aquilo que pudesse trazer para a sociedade as conquistas da civilização deveria ser o norte do governo republicano. Mas nada disso ocorria, e as contradições provocadas pelo jogo de interesses continuavam, numa constância e firmeza, para ele, exasperantes. “A ver navios! Nem outra coisa faço nesta adorável República, loureira de espírito curto que me deixa sistematicamente de lado..” Começou a percorrer o Brasil, num misto de engenheiro e jornalista, e, por isso mesmo, vendo, desbravando, trabalhando, criando, mas, principalmente, escrevendo, pois o poder da palavra escrita havia-se tornado um dos recursos mais importantes naqueles tempos em que o progresso se fazia presente.

O engajamento de Euclides o levaria a montar Rocinante, passos lentos e tardos, como o que havia conduzido o cavaleiro da triste figura. Afinal, só assim se poderia trilhar aquele Brasil gigantesco, mas com uma estrutura social e econômica perversa e excludente, sem falar nos sistemas viário e de comunicação, nenhum deles condizente com as necessidades que o país tinha para entrar na chamada modernidade. E como ele não apreciava “as multidões ruidosas”, começou a procurar, naquela hora, os locais, “as cidades, que se ocultavam majestosas, na tristeza solene do sertão”. Deste modo, ele assumiu o projeto de conhecer o país, desprezando a idealização européia tão valorizada pela maior parte dos intelectuais brasileiros naquele momento crucial de nossa história. Suas convicções, inúmeras vezes, caíram por terra, conflitando com seus valores e prejudicando, quase sempre, sua vida pessoal. Ele, no entanto, manteve seu projeto, brandindo uma lança precária e protegendo-se com um escudo assustadoramente frágil, mas investindo contra um inimigo que se mantinha inabalável. Urgia não perder as ilusões. Urgia combater. Importava mesmo, segundo Euclides, concretizar mudanças que pudessem conduzir o país aos trilhos do progresso, fazê-lo chegar à chamada modernidade.

---
Fonte:
Tarciso Gomes do Rego: “Vargas Llosa reescreve Euclides:  Uma proposta de Brasil”. (Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduaçãoem Letras Neolatinas da Universidade Federal do Rio de Janeiro Requisito para a obtenção do título de Mestre em Letras Neolatinas. Área: Estudos Literários Neolatinos. Opção: Literaturas Hispânicas. Orientador: Víctor Manuel Ramos Lemus). Rio de Janeiro, 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário