30/01/16

Sermão do Santíssimo Sacramento em Santa Engrácia, de Padre Antônio Vieira


Para baixar o livro gratuitamente, clique na imagem e selecione-o em: 
---
Disponível provisoriamente em "GoogleDrive", no link abaixo:

---

O jesuíta, os jesuítas e a pregação

Sobre o autor, deixamos aqui algumas breves palavras. Nascido em Lisboa em 1608, Vieira chegou ao Brasil com a família aos seis anos de idade. Estudou no colégio dos jesuítas em Salvador e optou por entrar na ordem religiosa. Em 1642 integrando a embaixada para saudar o novo rei após o fim da união ibérica o então religioso e pregador retornou a Europa. Dez anos depois voltou ao Brasil em uma missão no Maranhão onde fica até 1661, sendo obrigado a se retirar por contendas com os colonos, torna a Portugal. Regressa ao Brasil apenas em 1681, permanecendo aí até sua morte em 1697. Antônio Vieira foi, reconhecidamente já em seu tempo, um dos grandes exemplos da oratória, bem como figura de grande engajamento político. Personagem com uma fortuna crítica muitas vezes controversa, sendo acusado ora de defender a manutenção da exploração colonial e suas mazelas (como a escravidão), ora aclamado como denunciante da mesma. Viera flertou com o poder em diversas cortes europeias (Portugal, França, Roma, Holanda para citar algumas ), gozando de prestígio e reconhecimento, criando também contendas e animosidades. Também teve intensa vivência missionária nas selvas e sertões brasileiros. Foi conselheiro, diplomata, réu da Inquisição, professor, mas principalmente exímio pregador.

Tratando-se da obra de sermões de Vieira deve se levar em conta uma profunda variedade do material. Sendo sua produção sempre vinculada ao contexto histórico pertinente ao pregador. O teor da fala é acomodado segundo a audiência, o que vai de cortes europeias, à irmandades de negros no Brasil. Além da diversidade de circunstâncias em que foram pregados os sermões, estes obedecem ao calendário católico, seus tempos litúrgicos, e temas e situações considerados predicáveis, como nascimento e exéquias de nobres, dias de santos e de festas religiosas. Toda esta pluralidade poderia nos dar a sensação de miscelânea, ou de uma prática oratória acomodada circunstancialmente e com plasticidade ilimitada sem o cunho de uma face. Disse o próprio Vieira a respeito de sua obra de Sermões, em seu prólogo:

Os que de presente tens nas mãos (e mais ainda os seguintes) serão todos diversos, e não continuados, quaresmais, santorais, e mariais inteiros, como se usa. Mas o meu intento não é fazer sermonário, e estampar os sermões que fiz. Assim como foram prega dos ao acaso, e sem ordem assim tosofereço. Porque hás de saber que, havendo trinta e sete anos, que as voltas do mundo me arrebataram da minha província do Brasil, e me trazem pelas da Europa, nunca pude professar o exercício de pregador, e muito mais de pregador ordinário, por não ter lugar certo, nem tempo; já aplicado a outras ocupações de Deus e da Pátria, já impedido de minhas frequentes enfermidades, por ocasião das quais deixei de recitar alguns sermões, não poucos, que já tinha prevenido, e também, agora, se darão à estampa (VIEIRA, 1993, v. I, p. 62-63).

Por outro lado, mesmo “pregados ao acaso” e “sem ordem” , tais sermões não deixam de seguir certa “globalidade relativa” e dar uma finalidade clara à retórica, onde a dimensão "sacramental [...] fundamenta as analogias da retórica”, como afirma Pécora (1994, p.42):

[...] é impraticável uma análise rigorosa da retórica desses sermões se não se examinar o valor que essa eficácia do divino recebe no seio da sua produção humana. Ou seja, essa analise teria que se processar – como diz José Mattoso a propósito da “escrita da Historia” que considera adequada com “saber” – tendo em vista uma “lógica de base” que perpassa os sermões individuais e os “insere numa totalidade” com a qual mantêm uma relação essencial ”. E, como quer que se entenda essa relação essencial a ordenar os sermões, não é possível deixar de considerar o que, nela, se reporta à concepção cristã particular que justifica sua origem e proporciona sua finalidade.

Outro fato importante a ser considerado é que este trabalho ateve-se à parte da

retórica que se liga mais diretamente à estrutura formal (estilística, linguística) presente nos sermões e às análises que podem decorrer desta. Os sermões nos chegam hoje como literatura, e o próprio pregador ao dar-lhes a estampa metamorfoseia-se em escritor. Assim, não tocamos diretamente a parte que diz respeito a uma importante dimensão da eloquência propriamente dita, que - como afirma Granada (1945) - é a pronúncia: “à pronúncia cabe acomodar a voz, o gesto, e o rosto à coisa dita” (GRANADA, 1945, p. 490). Voz e gesto são elementos que estabelecem uma comunicação direta via sensorial, e em sua teatralidade expressam e articulam sentidos do universo interior, dando toda uma roupagem de intenção à palavra. É importante lembrar que os sermões são,  a priori, organizados para serem pregados, sendo assim a forma tão importante quanto o conteúdo. É o modo como é dito, que dá força e substância à palavra. Para isso nos chama a atenção o próprio Vieira (1993, p. 61): “Da folha que fica atrás (se a leste) haverás entendido a primeira razão, ou obrigação, porque começo a tirar da sepultura estes meus borrões, que sem a voz que os animava, a inda ressuscitados são cadáveres”.

No seiscentismo, o tema da persuasão é produtivamente explorado pela oratória religiosa da época, mais especificamente a dos jesuítas. Estes tiveram influência marcante no Brasil, seja por terem assumido o encargo da cristianização da colônia a partir de 1549, data de sua chegada na Terra de Santa Cruz, seja por serem os principais representantes da política do padroado: definida amplamente como uma combinação de direitos, privilégios e deveres concedidos pelo papado a Coroa de Portugal como patrona das missões e instituições eclesiásticas católico-romanas em vastas regiões da Ásia e do Brasil (BOXER, 1969).

A concepção “psicológica” própria dos Jesuítas – ordem religiosa de pertença do Pe. Antônio Vieira – é uma das mais bem constituída s da época, sendo também a mais difundida na colônia. Por se basear em uma visão da estrutura antropológica advinda da tradição aristotélico-tomista, proporciona um modelo explicativo do “psiquismo” humano, além de propor uma modalidade de intervenção através da palavra, pelo uso da retórica.

Segundo esta perspectiva, a compreensão da vida interior se daria a partir de certa visão de mundo e de homem. Esta análise assume a forma explicativa de uma espécie de arquitetura da alma – ou arquitetura humana, ou do coração como algumas vezes utiliza Vieira (1993). Esta arquitetura oferece a possibilidade não apenas de articulação de conceitos que formam saberes psicológicos, mas também de ter acesso à teoria do conhecimento aristotélico-tomista que a fundamenta.

A espiritualidade da Companhia de Jesus é perpassada pelos valores do Humanismo filtrados já pela sensibilidade da Idade-Moderna, tradicionalmente rotulada como barroca. A essência do ideal humanista é a valorização da personalidade em sua realidade completa (natural e sobrenatural) e nas relações sociais enfatiza-se a importância da solidariedade de modo que cada indivíduo é chamado para contribuir para a salvação do gênero humano, à imitação de Cristo: “Assim era a espiritualidade que pregavam. Aproveita todos os valores possíveis; se adaptando a mentalidade da época; movia-se em um clima tanto elevado quanto humano; se alimentavam das grandes forças do entusiasmo e do amor”.

Assim, a esfera do psiquismo humano é concebida como sendo totalmente articulada ao homem integral, completo, tanto no campo interior – sensações, afetos, vontade, intelecto, espírito – quanto no campo exterior, como ser integrado ao mundo e dentro de um corpo social e místico. O ser humano se atualiza em todas as suas potencialidades na medida em que estiver imerso na realidade concreta, no mundo sensível; este último é ligado diretamente ao mundo sobrenatural, através da “sacramentalidade”, ou seja, da possibilidade de todas as coisas e fatos serem sinais e presentificação de um sentido maior e dotado de transcendência e universalidade: a divindade (PECORA, 1994).



---
Fonte:
Sandro Rodrigues Gontijo: “Imaginação e memória nos sermões de Antônio Vieira”. (Dissertação apresentada à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP, como parte das exigências para a obtenção do título de  Mestre em Ciências, Área: Psicologia. Orientadora: Prof. Dra. Marina Massimi). Ribeirão Preto – SP, 2011. Disponível em: www.teses.usp.br

Nota:
A imagem inicial inserida no texto não se inclui na referida tese.
As notas e referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra.
O texto postado é apenas um dos muitos tópicos abordados no referido trabalho.
Para uma compreensão mais ampla do tema, recomendamos a leitura da tese em sua totalidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário