17/01/16

Sermão de Nossa Senhora do Ó, de Padre Antônio Vieira

Para baixar o livro gratuitamente, clique na imagem e selecione-o em: 
---
Disponível também em "GoogleDrive", no link abaixo:



---


A Companhia de Jesus

As ordens religiosas preconizavam um estilo de vida em comunidade para alcançar uma maior espiritualidade pela disciplina moral. Seus membros assumiam livremente votos de obediência, castidade, pobreza, mendicância, estudos teológicos, educação ou outros, conforme a finalidade de cada ordem.

Assim, surgiram muitas ordens com seus mosteiros. São Bento de Núrcia (480-547) fundou a ordem dos beneditinos, cujos monges eram ordenados como clérigos e enviados como missionários a vários países. No final do século XI foi criada a ordem dos cartuxos e a dos cistercienses. As primeiras ordens mendicantes datam do século XIII; preconizavam o retorno às fontes evangélicas e a luta contra os hereges; foram as seguintes: carmelitas (1207), trinitários descalços (1209), franciscanos (1218), Servitas de Maria (1233), agostinianos (1256), mínimos (1435) e hospitaleira de São João de Deus. As ordens mendicantes tiveram privilégios especiais, sem obrigações paroquiais. Os beneditinos eram da corrente ascética e defendiam o isolamento do mundo; os trinitários davam ênfase nas diferentes ações no mundo.

A Companhia de Jesus, cujos membros eram chamados jesuítas, foi fundada por São Inácio de Loyola (1491 – 1556). Ele foi um gentil-homem vasco de Loyola (Espanha), chamado Ignácio Lopes de Recalde. Ferido gravemente em ambas as pernas na luta contra os franceses, durante sua longa convalescença dedicado à leitura e meditação sobre a vida dos santos, decidiu consagrar-se inteiramente à religião. Uma vez restabelecida sua saúde, depositou sua espada aos pés de Nossa Senhora de Monserrat, foi a Paris, onde obteve o diploma de doutor em teologia, após seis anos de estudo. Junto com outros seis companheiros de grande ardor religioso, no dia 15 de agosto de 1534, fundou a Ordem, confirmada pelo Papa em 1540. Além dos votos de obediência, castidade e pobreza houve o compromisso da submissão total ao papa e uma rigorosa disciplina de caráter militar, sob as ordens de um superior, o general, além de exigências de ordem intelectual. Os Exercícios espirituais, formulados por Loyola, impunham uma atitude de meditação sobre os sofrimentos de Cristo e as penas do inferno; visavam formar certa mentalidade de luta contra os adversários da Igreja e foram uma poderosa ferramenta psicológica de adestramento e submissão.

Os jesuítas tiveram forte atuação na Europa e nas suas colônias. Ao Brasil, chegaram em 1549, desenvolveram intensas atividades de evangelização e educação, primeiro em São Paulo, depois na Bahia e Maranhão. Mais tarde, devido ao surgimento de forte oposição religiosa e política, os jesuítas foram expulsos de Portugal e Brasil (1759), França (1764), Espanha (1767) e finalmente, a ordem foi suprimida pelo papa Clemente XIV (1773), mas foi restaurada por Pio XII (1814). Como não se retiravam em conventos, seus padres eram chamados seculares.

Dentre todas as ordens surgidas a partir do século XVI, como os lazalistas ou padres da missão (1625), os sulpicianos (1641) e os lassalistas (1680), nenhuma delas teve influência tão marcante na religião, na política, na educação e na sociedade em geral, na época da Contra-Reforma, como a Companhia de Jesus.

Aos objetivos originais, a luta contra os hereges e a expansão missionária, os jesuítas acrescentaram outros, pois fundaram casas de noviciados, asilos e hospitais. Mas foi através da ação pedagógica desenvolvida nas suas escolas e seminários, por eles criados, que os resultados foram de maior alcance e visibilidade. Inúmeras gerações de jovens foram moldados durante mais de 200 anos. Como conseqüência da sua luta pelo monopólio do ensino, em 1749, havia 669 colégios jesuítas espalhados no mundo. A educação esmerada compartida aos filhos das famílias ricas, resultou na formação de pedagogos, professores, capitães, confessores, cardeais e altos dignatários da Cúria. Até futuros papas estavam entre os ilustres egressos dessas prestigiosas instituições de ensino.

Salomão (In: VIEIRA, 2001, p. 54) salienta que os jesuítas tomaram para si a responsabilidade de formar um elite européia, cujo denominador comum foi o estudo de Aristóteles, a retórica ciceroniana e a prática dos exercícios espirituais de Inácio de Loyola, o fundador da Ordem. Marc Fumaroli, citado pela autora a continuação (p. 54-55), opina que, com relação ao processo pedagógico dos jesuítas, é possível falar de uma “arma pedagógica”, à semelhança de um quartel-general em Roma que tinha por objetivo a instrução e a ocupação de territórios conquistados; isto seria feito pelos seguintes agentes e meios: os príncipes, com as armas; os núncios, com a diplomacia; os missionários, com a eloqüência, enraizando a cultura e a fé romanas; o espaço geográfico desse grande projeto incluía não apenas a Europa, mas o mundo todo.

A rede de colégios criados em Roma com o incentivo dos papas Gregório XIII e Sixto V, foram, de fato, de fundamental importância para poder atingir seus objetivos, ainda mais, se for analisada a forma de sua ação pedagógica.

A eficiência da pedagogia dos jesuítas, própria aos seus interesses, tinha dois eixos principais: o preparo rigoroso dos mestres e a uniformização da ação. Quanto aos cursos, o aluno vencia os estudos inferiores, composto de duas etapas de três anos cada uma; primeiro cursava letras humanas de grau médio e depois, filosofia e ciências. No estudo superior, estudava-se teologia e ciências sagradas, em quatro anos, destinadas à formação dos padres. As práticas e conteúdos foram determinados pelas normas dos planos de estudos e pela pedagogia próprias.

O Colégio Romano, em Roma, centralizava os relatórios das experiências pedagógicas de todas as partes do mundo. Tomando como base essas informações, foi elaborado o Ratio Studiorum, uma espécie de plano de ensino, introduzido em todas as instituições de ensino, em 1599, orientando todo o período de educação. As diversas experiências foram avaliadas e codificadas; prescrevia-se os conteúdos e a normatização de todo o processo pedagógico. O documento era acessível a todos, desde o provincial, até o mais humilde ajudante que não pertencia à Ordem. Outros dois fatores relevantes da tentativa de atingir o ideal de unidade do pensamento e ação, foi o intenso intercâmbio de correspondências entre os membros da Companhia, e a divulgação de um manual completo, contendo normas gerais e informações bibliográficas para o ensino, do Padre Jouvency.

A didática era rigorosa e exigia-se muito esforço do aluno; a repetição dos exercícios tinha por objetivo facilitar a memorização. Os melhores alunos ajudavam ao professor a tomar as lições dos seus colegas, havendo registro dos acertos e erros. Aos sábados, nas classes inferiores aconteciam as sabatinas, repetições de lições da semana; houve também competições entre alunos e classes, que eram torneios de erudição, orais e escritos, desenvolvendo o espírito de competição e aguçando a capacidade dialética, não faltando premiações em solenidades pomposas.

O latim era um instrumento de universalização da cultura clássica e medieval, motivo pelo qual era estudado de forma exaustiva, até que o aluno tivesse o domínio completo da língua para poder usá-la em qualquer ocasião. A disciplina era rígida a fim de garantir a proteção e a vigilância; as férias eram curtas para evitar as influências contrárias aos comportamentos esperados. O cumprimento das rígidas normas de disciplina tinha sucesso porque a base do comportamento de todo militante jesuíta estava na obediência irrestrita e incondicional. Ferreira (1971, p. 529) reproduz um arrazoado a esse respeito, do jesuíta Afonso Rodrigues, nos seguintes termos:

Nenhum meio é tão eficaz para alcançar a perfeição na obediência como fazermos de conta que Deus é o Superior e que Ele nos manda; e que obedecendo nós ao Superior não obedeceremos a um homem senão a Deus.

A retórica foi mantida como uma disciplina maior que incluía as outras, pois o ensino visava à preparação do orador. Houve preocupação com a pedagogia da oratória sacra. Existiam índices textuais, a retórica das citações, com máximas e conceitos organizados de forma sistemática para melhor manuseio.

Mendes (In: VIEIRA, 1978, p. 19) chama a atenção para a diferença entre um sermão lido e a sua efetiva apresentação, quando pregado, que ela chama espetáculo teatral da pregação. A autora, para descrever os recursos da oratória que se desenvolvem na formação nos noviciados, os técnicos da eloqüência, ela dá a palavra a J.L. de Azevedo:

Diariamente exercícios de memória, com textos decorados do Antigo e Novo Testamento; e os de declamação, que na língua da Companhia se denominavam repetição dos tons para as inflexões do púlpito. Instrução sobre o porte e ademanes, sobre o andar, o riso, a voz, a posição das mãos, a direção do olhar, o modo de compor o vestido. Os lábios não devem estar contraídos nem em demasia nem abertos. Evite-se o franzir da testa ou do nariz, pois cumpre que se leia no rosto, espelho da alma, a serenidade interior. Tudo isso se acha especificado em regras escritas que o noviço tem de conhecer e praticar.


A prática dos jesuítas foi determinante na segunda metade do século XVI até a primeira metade do século XVIII; eles foram agentes da nova política religiosa e cultural em consonância com as deliberações do Concílio de Trento. Os seus sacerdotes eram aguerridos militantes, ao ponto de sofrerem certa despersonificação, mas dispostos a vencer. Uma parte da epopéia na intervenção política, na evangelização, na pedagogia, na literatura, foi escrita pela vida e obra do Padre Antônio Vieira, de quem tratará o próximo ponto.

----
Fonte:
Roberto Teodoro Jung: “Retórica e pregação religiosa no Sermão da Sexagésima do Padre Antonio Vieira”. (Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras – Mestrado, Área de Concentração em Leitura e Cognição, Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Letras. Orientador: Prof. Dr. Jorge Molina). Santa Cruzdo Sul, 2008.
Nota:
A imagem inicial inserida no texto não se inclui na referida tese.
As notas e referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra.
O texto postado é apenas um dos muitos tópicos abordados no referido trabalho.
Para uma compreensão mais ampla do tema, recomendamos a leitura da tese em sua totalidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário