13/09/15

O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec

Para baixar o livro, clique na imagem e selecione-o em: 
http://www.projetolivrolivre.com/
---
Disponível também em "Minhateca", no link abaixo:


---

Fundamentos da Filosofia Espírita

Embasado pela observação, comparação e verificação dos fatos, Denizard Rivail concluíra que ali estavam mesmo espíritos dos desencarnados. Um curioso paradoxo num século caracterizado pelo materialismo alemão, pelo positivismo francês, e pelo ceticismo; um dedicado discípulo do notável Pestallozi aplicava os métodos científicos empíricos no desvendamento e análise do mundo dos mortos.

A chamada doutrina espírita, sistematizada pelo pedagogo, já sob o pseudônimo de Allan Kardec, tem seu alicerce nos cinco livros publicados por ele que, reunidos, formam o pentatêuco kardequiano. Por intermédio dos médiuns, conduzia perguntas aos espíritos, que eram analisadas, comparadas e sistematizadas. O resultado dessa pesquisa foi “O Livro dos Espíritos”, publicado, pela primeira vez, em 1857, contendo 1018 perguntas e respostas sobre temas e questões que tangenciam a doutrina espírita. Posteriormente, outras obras seriam editadas: “O Livro dos Médiuns” (1861); “O Evangelho Segundo o Espiritismo” (1864); “O Céu e o Inferno” (1865); e “A Gênese” (1868). Em 1864, seria lançado um resumo da doutrina em “O que é o Espiritismo”, e, após sua morte, foi compilada “Obras Póstumas” (1890). Kardec lançou e dirigiu, ainda, a “Revue Spirite”, difundida sob sua responsabilidade por 11 anos, e fundou a “Société Parisienne d’Étude Spirites”, fatos que redundaram na forte expansão do movimento espírita francês, que logo atingiria nosso país (abordado no 2º Capítulo da presente, “Apropriação e disseminação do espiritismo no Brasil”).

Essa ampla expansão não pode ser descolada do turbilhão de crenças e filosofias que conviviam com o cientificismo europeu pelo viés do neocolonialismo. Noções como carma, corpo astral, reencarnação e outras similares vinham das colônias orientais da Inglaterra e da França. Mesmo na antigüidade, o conceito metempsicose – crença de que uma mesma alma pode animar sucessivamente corpos diversos, de homens, animais ou vegetais –, agregado por filósofos como Pitágoras ou Platão, estava presente nos textos Upanishadas, da milenar Índia. Todavia Kardec refutava a idéia de transmigração da alma de homens para animais; com uma perspectiva evolucionista, entendia que o espírito poderia estacionar, nunca retroceder ou degenerar.

O espiritismo, delimitado e designado no Brasil como kardecismo, pode ser compreendido como sistema complexo de pensamento, abarcando princípios filosóficos, científicos e religiosos. Seu eixo central é a idéia milenar baseada na doutrina hinduísta da reencarnação – com a diferença já assinalada – e a possibilidade concreta de comunicação entre os mortos – classificados, genericamente, como “espíritos desencarnados”– realizada por intermédio de pessoas dotadas de capacidade para o transe psiquíco, os médiuns, durante a sessão espírita (chamada de “mesa branca”, num contraponto às crenças afro-brasileiras, discriminadas como “baixo espiritismo”).

Num processo de sincretismo doutrinário, é acrescentado à lógica estrutural oriental da reencarnação o elemento essencial do cristianismo contido nos Evangelhos: a ética da caridade. Jesus Cristo é considerado a maior entidade já encarnada e governador espiritual do planeta, e Kardec entendeu que o maior mandamento é o amor ao próximo, considerado a virtude suprema.

Sucintamente, apresentamos um esboço do pensamento de Kardec exposto pelo autor ao longo de suas obras – o pentatêuco, além do “O que é o Espiritismo” e “As Obras Póstumas”. O espiritismo é uma ciência, compreendendo duas partes: uma experimental, sobre as manifestações em geral, e outra filosófica, sobre as manifestações inteligentes. A verdadeira doutrina espírita está no ensinamento dado pelos espíritos, e a aprendizagem ocorre por um estudo sério e continuado, feito no silêncio e recolhimento.

A rigor, os espíritos não são nem bons nem maus por natureza; são eles próprios que se melhoram, transitando de uma ordem inferior para uma superior. Assim, o aperfeiçoamento do espírito é o fruto de seu próprio trabalho e processo contínuo de educação, não podendo, numa única existência corpórea, adquirir todas as qualidades morais e intelectuais necessárias à condução do objetivo – a purificação, alcançada por uma sucessão de vidas, em cada uma adquirindo elementos no caminho do progresso “A encarnação não é imposta ao espírito, no princípio, como punição; ela é necessária ao cumprimento das ordens de Deus (...)”, enfatiza Kardec. “Os espíritos encarnados constituem a humanidade, que não é circunscrita à Terra, mas que povoa todos os mundos disseminados no espaço(...)”. A vida espiritual é a vida normal; a vida corpórea é transitória e passageira.

O esquecimento de existências anteriores é uma dádiva divina, sendo os homens poupados de lembranças, na maioria das vezes, dolorosas e penosas; por outro lado, a diversidade das aptidões inatas é a prova de que a alma já vivera. “Nenhum espírito está nas condições de não se melhorar nunca; de outro modo, estaria fatalmente destinado a uma eterna inferioridade, e escaparia da lei do progresso que rege, providencialmente, todas as criaturas”.
Outra categoria essencial à compreensão do pensamento kardequiano é a noção do livre arbítrio, preconizado nos primórdios do cristianismo por Santo Agostinho (354/430 d.C.):

Deus, sendo soberanamente justo, deve considerar igualmente todos os seus filhos; é por isso que dá a todos o mesmo ponto de partida, a mesma aptidão, as mesmas obrigações a cumprir e a mesma liberdade de agir [grifo do autor]; todo privilégio seria uma preferência, e toda preferência, uma injustiça. Mas a encarnação não é, para todos os Espíritos senão um estado transitório; é uma tarefa que Deus lhes impõem, na sua entrada na vida, como primeira prova que farão do seu livre arbítrio.

Na condição de movimento religioso, Kardec frisava que o espiritismo, longe de negar o Cristianismo e o Evangelho, os esclarecia e difundia à luz das novas revelações acerca do que o Cristo fez e disse.

[o espiritismo] traz a luz sobre os pontos obscuros de seus ensinamentos, de tal sorte que aqueles para quem certas partes do Evangelho eram ininteligíveis, ou pareciam inadmissíveis, as compreendem, sem esforço, com a ajuda do Espiritismo, e as admitem; vêem melhor a sua importância , e podem separar a realidade da alegoria; o Cristo lhes parece maior: não é mais simplesmente um filósofo, é um Messias divino [grifo do autor].

Uma plêiade de intelectuais diversos aderiram, em algum momento, às idéias apresentadas por Kardec, numa lista extensa, que inclui, entre outros, figuras como o astrônomo Camille Flammarion, o escritor Léon Denis, o antropólogo italiano Ernesto Bozzano, o escritor inglês Arthur Conan Doyle, imortalizado pelo clássico detetive Sherlock Holmes; Alexandre Dumas, outra celebridade da literatura universal; o médico italiano César Lombroso, psiquiatra forense, que se notabilizou pelos estudos no campo das relações físicas e mentais, que, mais tarde seriam, conhecidos como antropologia criminal.

Evidentemente, o espiritismo não ficaria imune a contestações e repressões. Apenas para ilustrar, dois episódios são notórios nesse meio. Em 1862, o padre Lepeyre, da Companhia de Jesus, chegou a afirmar que era mesmo possível o contato com os mortos, mas que os bons espíritos só se manifestavam dentro das igrejas e que, ademais, fora daquele ambiente só almas demoníacas surgiriam. Outro fato foi o denominado “auto-de-fé de Barcelona”, quando um livreiro francês, radicado na Espanha, Maurice Lachâtre, encomendou a Kardec seus livros para divulgá-los. Entretanto, não contava com a intolerância do bispo da cidade, que ordenou a apreensão e a incineração dos livros numa grande fogueira. Decerto, o gesto do clérigo, o último ato da inquisição espanhola, teve enorme eco na imprensa local e internacional, servindo para atiçar as curiosidades e divulgar o termo espiritismo. Mesmo no Brasil, certo padre, Oscar Quevedo, vem ganhando notoriedade, há décadas, no esforço de desmistificar os fenômenos espíritas pela vertente da parapsicologia.



---
Fonte:
Anderson C.F. Brettas:
"Eurípedes Barsanulpho e o Collégio Allan Kardec: Capítulos de História da Educação e a Gênese do Espiritismo nas Terras do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro - 1907/1918. (Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de mestre junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação, sob a orientação do prof.º Dr. José Carlos Souza Araújo. Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Educação -Programa de Pós-Graduação em Educação). Uberlândia, 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário