31/07/15

A Virtude Laureada, de Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Para baixar o livro, clique na imagem e selecione-o em: 
http://www.projetolivrolivre.com/
---
Disponível também em "Minhateca", no link abaixo:



---

Bocage

Manuel Maria Barbosa du Bocage, o ilustre poeta português, nasceu em Setúbal, em 15 de setembro de 1765, vindo a falecer em 21 de dezembro de 1805. Nesses breves quarenta anos, porém, sua fama de boêmio, seus versos eróticos e o folclore de suas piadas construíram “...uma espécie de mito... quase uma metáfora: seu nome acoberta tudo o que de pornografia e libertinagem corre anônimo por aí...” No mesmo sentido, Esther de Lemos: “...para o povo inculto, para os que não lhe leram nunca os versos mais belos, para os que mal sabem quem ele foi – o nome de Bocage ficou sempre ligado à graça pesada e suja das anedotas que se vendem pelas ruas em folhetos mal impressos... imagem tosca fixada na tradição”. A essa imagem de um BOCAGE popular opõe-se tão enérgica e vigorosamente a figura do BOCAGE literário que até mesmo Almeida Garrett, um dos mais destacados escritores lusitanos, sublinhou a enorme distância que os separa, registrando, no prefácio da sua “Lírica de João Mínimo”: “O excêntrico, ininteligível, estapafúrdico...” Bocage “...dos cafés... não pode ser o mesmo que o tradutor de Ovídio, o autor do Leandro e Hero, de Tritão e de tanta cousa bela” (sic).

Voltados para o BOCAGE literário, principiemos por frisar o “...modo de produção poética típico do século XVIII, quando os poetas, reunidos em academias, dependiam do financiamento dos ricos e poderosos aos quais, em troca, cumpria dedicar versos elogiosos”; e versos que atendiam às rígidas lições dos clássicos gregos e latinos, adotavam-lhes o código mitológico, e caracterizavam-se pelo convencionalismo, pelo artificialismo e pelo formalismo – em verdade, “...um excesso de forma sobre fundo...”. Não foi diferente com BOCAGE, que, sob o nome poético de Elmano Sadino, integrou a Academia das Belas-Artes de Lisboa ou Nova Arcádia; mas de cuja produção acadêmica veio a penitenciar-se mais tarde, em conhecido soneto: “Incultas produções da mocidade... versos... que foram... Escritos pela mão do Fingimento, Cantados pela voz da Dependência”.

Vivia-se, então, o que António Hernâni Cidade chamou de “...fase intercalar de duas culturas sucessivas...”: de um lado, os derradeiros estertores do mundo clássico, com sua vigorosa preocupação racional; de outro, os frêmitos inaugurais do mundo romântico, com seu intenso cuidado e desvelo para com o sentimento.

Embora um árcade, como o demonstra, por exemplo, a sua métrica rigorosa, BOCAGE foi também e sobretudo um pré- romântico, como o revela a sólida repercussão que sua vida e circunstâncias pessoais tiveram em sua obra; constituindo, de fato, uma rebelião pessoal, uma insurreição poética, um rompimento literário com a idade clássica. Afirma-o Maria Helena da Rocha Pereira: “...um dos poucos setecentistas portugueses a merecer a designação de pré- romântico”; e reafirma-o Guerreiro Murta: “Bocage foi, sem dúvida, no seu tempo o poeta que mais contribuiu para a formação do Romantismo” (sic); com o apoio de respeitados estudiosos, como Hernâni Cidade e Vitorino Nemésio.

Com um pé no arcadismo e outro no romantismo, BOCAGE encontrava-se numa encruzilhada, em que conviviam o ambiente clássico, conseqüência da sua cultura, e as pulsações típicas do romântico, fruto de suas inclinações pessoais. Por isso Hernâni Cidade afirma que o poeta tem “...a herança da serenidade clássica, misturada ao tumulto romântico...”. Por isso Maria Helena da Rocha Pereira compara-o a OVÍDIO, para descrevê-lo como “...um poeta entre dois mundos” (grifamos).

Embora tenha ganho destaque também com suas traduções – “...Bocage foi inexcedível na arte de traduzir” – é com seus versos que o poeta, dando livre curso às emoções, alça os vôos mais elevados. Não foram poucos os especialistas que o reconheceram e proclamaram, como Vitorino Nemésio – “...um gênio... que está ao mesmo tempo ao nível e acima da emotividade de sua época...” (sic) – e como Esther de Lemos – “...um dos maiores líricos portugueses – o maior do século XVIII”. Nenhum, todavia, foi tão eloqüente ao fazê-lo quanto o nosso Olavo Bilac: “Em Portugal, a arte de fazer versos chegou ao apogeu com Bocage e depois dele decaiu. Da sua geração, e das que a precederam, foi ele o máximo cinzelador da métrica... Depois dele, Portugal teve talvez poetas mais fortes, de surto mais alto, de mais fecunda imaginação. Mas nenhum o excedeu nem o igualou no brilho da expressão” (grifamos).

[...]

---

Fonte:
José Roberto Vieira
(Professor de Direito Tributário da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Faculdade de Direito das Faculdades Integradas Curitiba (graduação, especialização, mestrado e doutorado); Mestre e Doutor em Direito do Estado – Direito Tributário (PUC/SP); Estudos pós-graduados no Instituto de Estudios Fiscales (Madri, Espanha); Ex-membro do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda (Brasília, DF); Auditor da Receita Federal - Curitiba, PR): “Bocage e as medidas provisórias: a emenda pior do que o soneto”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário