06/07/14

Canções (Poemas), de Antônio Botto

 Canções, de Antônio Botto - em pef gratis
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).




---
Palavras sobre o artista e sobre o livro “Canções”, por Jaime de Balsemão

CANÇÕES!

Canções à vida, não lamentos aos destinos. Canções à Forma que é linda, portanto, canções a Deus. É assim que Antônio Botto canta o homem, o qual vencido pende para a terra sob o peso dos sentidos; o homem escravo, o rei do Universo. Canta a humanidade e as coisas terrenas para lhes louvar a existência involuntária; canta a humanidade como ele sabe que ela é e não como ele desejaria que ela fosse. É esta a mais suave das filosofais, é esta toda a sua filosofia, criando na matéria uma arte deslumbrante de liturgias, dando a essa matéria toda uma origem divina. Se é nela que germina a forma, a cor, o som, olhar atento é rezar em silêncio. Antônio Botto louva e não maldiz, porque atravessa a existência para compreender. E, louvando, segue a eminência do pensar heleno, a grande harmonia dos dois mais nobres Princípios; — a arte e o critério; porque meditá-los é aliar num quietismo magnânimo as dolorosas imagens das nossas vidas. Canções de antigo requinte, canções de quente Sul. Canções à morna volúpia que adormece a louca angústia da razão. Canções de renascença, pelo sabor da verdade e pela técnica da maneira; canções onde a mudez não é uma crueza hostil, mas um desígnio de sabedorias, como nos dias gloriosos de Cirena, das frautas encantadas, deleusus… Canções, ao amor, — o triste desatino; ao mar gemendo lascivas, às sombras acolhedoras, ao cheiro acre das terras. Canções ao belo vinho amigo, que afasta os corpos famintos, e, a sós, sem conivências, não pedindo e não carpindo, — sem cômico e sem tragédia — canta a vida que sorri e olha os tempos sem medo. Canções cheias de sombra e cheias de intenção; canções de beleza porque são humanas e porque são raras. Humanas, dizendo a febre de todo o gozo, a luxuria que conquista, toda a posse que tortura; raras pela forma, pelo conceito, pelo sentir. Cantando a imperfeição o poeta canta a vida.
Doando assim por essa gentil alquimia, a mais excelente das ciências com a mais ilustre das artes, o poeta das “Canções”, prefere, ao repouso feliz do muito desprezar, o sofrimento constante do muito amar. A vida seria melhor se nela não existissem coisas tão belas! É a Forma que o enleva, essa forma que o tempo absorve e devora com a vida dos artistas, porque a arte a ilumina. Essa forma onde, por vezes, palpita um desejo decadente de perfeições aladas e que são a decadência destas canções sentidas. Porque decadência é como um tédio cheio de revolta motivado pela tortura da beleza para renascer no requinte da estética; maneira de protesto genial presidindo a todos os ressurgimentos nas Artes. É a Grécia douta e augusta, que renasce nos versos de Antônio Botto, como em todas as renascenças; renasce numa visão de fumo lento, erguendo-se das áras votivas ao domínio dos Deuses humanos, a esse há deslumbroso de murtas, divino de compreensões, a essa mansão da Inteligência, dirigindo as celebrações nas vestalias como a humanidade nos peitos.
................ O homem cede ao desejo como a nuvem cede ao vento.
E Antônio Botto louva esse desejo regendo as ações do homem, porque o homem dele nasceu. O amor cantado assim, não é o opróbrio que avilta, mas o culto que enobrece. Cantar a humanidade para a tornar mais bela!… Como os egípcios cadenciando-lhe o gesto nas danças, como os gregos cultivando-lhe a graça dos ginásios, como os romanos nos libames a Júpiter. Nestas canções, o amor, o vinho, os festins das carnes amorosas, as penumbras languidas são narcóticos preciosos onde o poeta afoga as dores do pensamento. É Vênus, Eros ou Afrodite; é o Amor Universal que, despreza a fome, a sede, a fadiga, para lançar no mesmo tropel os sexos, as castas e as inteligências, o amor que tenta adormecer, com o seu macabro e com o seu grotesco nos braços tolhidos da Noção; o amor, Grande e Único como o Sol, embora disperso em muitas laminas doiradas; — o amor que ergue nestas canções o seu grito imortal; ora varonil investindo na exaltação da conquista, ora feminil abandonando-se na ânsia da dádiva; palpitando nos peitos viris, vencendo nos seios amorosos. É o amor profano, profano como todos os amores humanos, os mais divinos ou os mais terrenos. É tudo que se arrasta, tudo que se lamenta em redor do homem, suplicando um imensa simpatia para a grande e inalterável Animalidade, a qual é como um vasto campo, onde homens, insetos, e gados, se agitam, entre a poderosa serenidade das formas vegetais, sob a mesma claridade fecundante, sob a mesma armadura de velho ouro que os une e assimila.

A inspiração do poeta é nobre e ousada, porque é dirigida pelo carinho tutelar da beleza e da humanidade. Ele faz da sonoridade das palavras a escolha mais rítmica, mas quando essa fonética obedeça doutamente à minúcia exigente do seu espírito raro destilista alexandrino, ornado, expandido nas belas letras. A sua Arte é toda harmoniosa de ironia; dessa ironia, dessa deidade antiga forçando a inteligência a perdoar aos homens a sua presença ruidosa e feroz, para a posse da mais gentil das coragens: — sorrir! Então Antônio Botto não faz da eterna ignorância uma tortura, mas uma suave piedade. Dentro do mistério Universal: — do seio que sente e concebe, da semente que germina e ensombra, nada será espantoso, nada será estranho. As combinações abstratas o poeta cede as combinações sensíveis; a emoção pura, a sensibilidade consciente, a toada musical e branda. A sua tranquila aceitação dos dilemas imutáveis pairando na vida, a sua compreensão lógica, a sua natural intuição, animam-nos de um prazer juvenil ao falar do Artista e das suas “Canções”. Cantam elas a treva do saber mesquinho dos homens, a ilusão de onde nascem as angústias para a posse das venturas, a amizade nos peitos como desenhos pueris na superfície das águas. Cantam doces crepúsculos, onde o Ideal, na solidão e na morte, é sempre perfeito porque foge como os Sóis. São canções onde a angústia é uma elegia de condescendências. O homem nascendo para acreditar e para servir, o seu fanatismo vibra não das verdades mais demonstradas, mas, das ilusões mais belas. Essa ilusão é a Arte, essa Arte uma doce ironia de conforto belo. E o homem vai sempre imaginando e sofrendo. Entre Platão e Fídias, Lucrécio e Virgilio, os Medicis e Miguelangelo, Luiz XIV e Racine, Goete e Beethoven, existe a mesma comunhão de luminosidade divina, onde Jesus e São Francisco de Assis, passam amenamente, para fazer reinar no coração dos homens uma esperança sem fim e um encantamento sem verdade. Cantar a bondade ou a beleza humana, é reconciliar a humanidade com a sua impudicícia e o seu egoísmo. — Impudicícia e egoísmo, perduráveis razões de todo o ser humano! É por essa orquestração sublime que o tédio cede à vida uma morada dileção, uma resignação conciliante a salutar. É assim pois, colhendo de um clamor pavoroso, uma sinfonia uníssona, vestindo com uma preciosa ironia os penosos fatalismos das realidades, e excelando na difícil maneira de ser simples, que_ Antônio Botto entoa primorosamente, entre sedas e vinhos, a negra história dos mortais: — O AMOR E A DOR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário