17/06/14

Loucura..., de Mário de Sá-Carneiro

 Loucura..., de Mário de Sá-Carneiro PDF
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).




---
Autópsia psicológica da escrita de Mário de Sá Carneiro

Autópsia: do gr. Autopsía, «acto de ver com os próprios olhos».

Se o espírito da nossa análise é também o de ver / ler com os próprios olhos, julgamos pertinente adotarmos a perspectiva do sentido figurado de ‗autópsia‘. Diz Maiakóvski: «Nesta vida morrer não é difícil. O difícil é a vida e o seu ofício». Lembrou-nos Albert Camus, quando se remete ao mito de Sísifo, comparando o esforço inócuo de se viver a vida sem um sentido, uma «enfadonha monotonia do dia-a-dia». Essa desolação e, ao mesmo tempo, a ideia que se sabe que cada hora que passa nos deixa mais próximos do desfecho dessa jornada, aliada à vivência de sofrimento, podem levar o indivíduo a um problema existencial e a uma desestruturação psíquica momentânea, quando ele não é psicótico.

Haim Grunspun faz uma exposição de fatores suicidógenos e elabora uma avaliação sobre os riscos de suicídios. Aproveitamos os dados apresentados na leitura do discurso epistolar de Sá-Carneiro ao fazermos uma autópsia psicológica do mesmo, ainda que saibamos, ou justamente porque sabemos, não ser fidedigna para a Psicanálise, por se tratar de relatos e afirmações somente presentes na escrita, e, portanto, impossíveis de serem arguidos. Logo, o nosso imaginário poderia contaminar o material, impedindo a assepsia necessária para a intervenção psicanalítica, salvo se apenas fizéssemos uma avaliação dos riscos, obviamente sem a intervenção in loco, mas mediante o que desvelamos de sua escrita. Todavia, a partir de uma nova leitura mais apurada das cartas de Mário de Sá-Carneiro a Fernando Pessoa, sob a égide do Modernismo encetado por ambos os escritores, alertamos para a possibilidade de um jogo de representação, na medida em que os textos, ainda que aparentemente confessionais, se apresentam mais como construções literárias.

A finalidade da autópsia enquanto «ato de ver com os próprios olhos», tal como no sentido etimológico, foi a de conhecer melhor nosso escritor em sua obra, e, quem sabe, fazer confluir a nossa interpretação ao que se propôs com essa investigação em suas hipóteses. O fator de risco «é um elo numa cadeia de associações que conduzem a um evento mórbido ou indicador desse evento», sendo importante o fato de serem observáveis e identificáveis aquelas associações, antes da potencialização do evento predito.

Assim, tentamos, através de um inquérito retrospectivo à mais famosa correspondência de Sá-Carneiro, verificar se o escritor chegou a manifestar um desejo declarado de causar a sua própria morte e a partir de que momento, em sua escrita epistolar (de potencial conexão com a sua escrita outra de ficcionalidade narrativa e lírica), pudemos perceber tal evento. Nesta óptica, revisitamos todo o livro  Cartas de Mário de Sá-Carneiro a Fernando Pessoa fazendo o percurso, depurando eventos circunstanciais que evidenciassem a ideia de morte que poderia, através de defesas do Eu, tais como projeções e possíveis sublimações, adiar o sentimento de morte, este um condutor certo para o ato suicida.

Para realizarmos essa autópsia na forma que foi por nós proposta, utilizamos os fatores considerados por Grunspum: (a) «eventos circunstanciais»; (b) «ideia de morte»; (c) «sentimento de morte»; (d) «distúrbios afetivos»; e «imperiosidade dos atos». Porém, não desprezamos os comentários dos biográfos de Mário de Sá-Carneiro e parte de sua obra, expondo os tais fatores que apontaram para o risco do suicídio.

---

Fonte:

Vera Lúcia Viana de Macedo: “Loucura, de Mário de Sá-Carneiro: Metáforas psicanalíticas na obra de Mário de Sá-Carneiro - Uma hermenêutica da morte em vida”. (Dissertação de Doutoramento em Literatura Portuguesa (Investigação e Ensino) Orientador: Professor Doutor José Carlos Seabra Pereira. Universidade de Coimbra - Faculdade de Letras). Coimbra, 2011.

Notas:
A imagem inserida no texto não se inclui na referida tese. As notas e referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra. O texto postado é apenas um dos muitos tópicos abordados no referido trabalho. Para uma compreensão mais ampla do tema, recomendamos a leitura da tese em sua totalidade. Disponível em: estudogeral.sib.uc.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário