25/06/14

Da Terra à Lua, de Júlio Verne

 Da Terra à Lua, de Júlio Verne  - pdf grátis livros
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).
  


---
Júlio Verne

Jules Gabriel Verne Allotte, escritor francês (1828-1905), nascido na cidade de Nantes, foi um grande divulgador da ciência, assim como o responsável por previsões progressistas. Autor de sucessos como Viagem ao Centro da Terra (1864), Vinte Mil Léguas Submarinas (1870), A Volta ao Mundo em Oitenta Dias (1872), Cinco Semanas num Balão (1863), Paris no Século XX (1863, publicado em 1994), Da Terra à Lua (1865), A Ilha Misteriosa (1874), entre outros, Verne conquistou e continua conquistando leitores no mundo todo com sua literatura fortemente fundamentada nos avanços científico-tecnológicos, sempre enredados por fascinantes histórias.

Desde a adolescência, Júlio Verne teve uma relação conflituosa com o pai, para quem as veleidades exploratórias e literárias do filho pareciam irrelevantes. Em 1848, mudou-se para Paris, por influência paterna, com o intuito de estudar advocacia. Nessa época, em contato com grandes literatos, teve despertada a motivação para iniciar sua carreira como escritor.

Em 1850, concluiu os estudos jurídicos e, apesar da insistência do pai para que voltasse à sua terra natal e exercesse a profissão, resistiu firme na decisão de tornar-se um profissional das letras. Foi por essa época que Verne, influenciado pelas conquistas científicas e técnicas, decidiu criar uma literatura adaptada à idade científica, vertendo todos esses conhecimentos em relatos épicos.

Seu primeiro livro publicado foi Cinco Semanas num Balão, não antes de ser recusado por vários editores, até chegar às mãos de Pierre-Jules Hetzel, em 1863. O livro agradou muito ao público, e devido à sua grande aceitação, várias edições se esgotaram, deixando claro para Hetzel o grande talento de Verne (FERRAZ, 2001). Ao todo, o autor escreveu 80 livros e montou 15 peças de teatro, sozinho ou com colaboradores. Conquistou um público cativo que, ávido por aventuras e descobertas científicas, viram na obra de Verne uma fonte inesgotável de fruição. Algumas de suas histórias foram para o cinema:   Viagem à Lua (Georges Méliès, 1902), Vinte Mil Léguas Submarinas (Georges Méliès, 1907), Michael Strogoff (J. Searle Dawley, 1910), entre outras edições mais recentes como Viagem ao Centro da Terra (Eric Brevig, 2009) e A Ilha Misteriosa (Mark Sheppard, 2010).

Fortes mudanças industriais e intelectuais de grande impacto marcaram o século XIX, principalmente na Europa (MASON, 1962). A predominância do pensamento positivista em várias áreas das ciências influenciando o homem na busca pelo domínio da natureza, a Revolução Industrial, todo o processo político que desencadeou a Primeira Guerra Mundial, as inovações científicas movidas pelas novas tecnologias e descobertas e o alargamento dos estudos nas várias áreas da física são elementos intrínsecos da visão de mundo que Júlio Verne construiu. Suas obras falam da humanidade e de seu futuro com grande entusiasmo e esperança, antecipando em seus escritos vários avanços no mundo tecnológico que estava prestes a começar, no final daquele século.

Para Pinto Neto (2004), a literatura de Júlio Verne, que conquistou, e ainda conquista uma legião de leitores, produz inúmeros efeitos, alguns diretos, outros concernentes ao imaginário1, que não se encerram apenas na leitura, mas favorecem a constituição de uma concepção de mundo. Até hoje muito procurados nas bibliotecas, seus livros inspiraram engenheiros e cientistas do mundo todo devido às ideias avançadas presentes em suas histórias. Em Da Terra à Lua (1865), por exemplo, Verne antecipou em mais de um século uma expedição que só seria realizada em 1968. O autor fez previsões muito precisas sobre as características na nave, sobre o local do lançamento, enfim, existem várias semelhanças entre a viagem descrita em sua ficção e o histórico projeto Apollo realizado nos Estados Unidos no século seguinte.

Podemos dizer que o uso da ciência na obra de Júlio Verne se deu no deslocamento entre as categorias descritas, pois nos livros o autor fazia desde menções a grandes realizações científicas do passado – Galileu e Arquimedes, entre outros – até grandes previsões – o submarino e o uso inteligente da eletricidade e do vapor como fontes de energia, entre outras –, algumas delas revolucionárias fantásticas, como o lançamento de uma nave tripulada à lua, por exemplo.

Como um dos primeiros escritores na linha moderna da ficção científica, Júlio Verne previu, entre outros inúmeros inventos, a televisão, o helicóptero, o cinema falado, a iluminação a neon, o ar condicionado, os arranha-céus, os mísseis teleguiados, os tanques de guerra, os veículos anfíbios, o avião, a caça submarina, o aproveitamento da luz e da água do mar para gerar energia e o uso de gases como armas químicas.

Tais características de sua obra tornaram-na uma grande fonte de inspiração. No Brasil, Verne exerceu influência sobre grandes nomes da literatura e de outras esferas sociais. Jovens leitores encontraram – e ainda encontram nos dias que correm – em seus livros uma maneira diferente de conceber as implicações do conhecimento científico nas relações sociais e na natureza. Segundo Pinto Neto (2004, p. 14), Júlio Verne está presente, direta ou indiretamente, na literatura de renomados escritores: “Raul Pompéia; Olavo Bilac; Graça Aranha; Graciliano Ramos e Brito Broca; assim como em textos autobiográficos de outros intelectuais.”

A presença de um conjunto de referências à obra de Júlio Verne nos romances brasileiros e nos relatos autobiográficos mostra que, além do fato de ter sido lido por várias gerações, é um dos autores que compõe o processo de iniciação literária de muitos. Tais leituras, presentes principalmente na infância e na adolescência, são na maior parte dos casos, leituras de devaneio, podendo, inclusive, se antagonizar às outras leituras, como a dos manuais didáticos - as leituras escolarizadas. (Ibid., p. 14)

O “antagonismo” ao qual Pinto Neto se refere não é um problema que nos preocupa, desde que pensemos na leitura de Júlio Verne como auxiliadora no contínuo processo de produção de sentidos pelo leitor. As contradições entre a física e a literatura, a nosso ver, devem ser favoráveis a níveis de compreensão mais significativos sobre os objetos de estudo, desde que acompanhadas por um mediador que pode ser o professor.

---
Fonte:
Júlio César David Ferreira: “Aproximações entre a obra de Júlio Verne e o ensino de Física”. (Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP/FCT, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Educação. Orientador: Prof. Dr. Paulo César de Almeida Raboni). Presidente Prudente, 2011.

Notas:

A imagem inserida no texto não se inclui na referida tese. As notas e referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra. O texto postado é apenas um dos muitos tópicos abordados no referido trabalho. Para uma compreensão mais ampla do tema, recomendamos a leitura da tese em sua totalidade. Disponível em:  www.athena.biblioteca.unesp.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário