04/05/14

Várias histórias, de Machado de Assis

 Várias histórias, de Machado de Assis
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).

---


“A desejada das gentes”: uma história da recusa

“Chame-lhe mostro, se quer, mas acrescente divino”

No século XIX, como vimos até aqui, a mulher continuava a ocupar uma posição subalterna na sociedade. Seu universo restrito ao âmbito doméstico lhe proporcionava poucas opções de satisfação – fossem sociais, sexuais ou mesmo sublimatórias. Seu objetivo primeiro era o casamento e o final, a maternidade. Ou seja, pouco restava às mulheres, cujo destino, traçado por um discurso elaborado por homens, não era necessariamente aceito de modo cândido. A possibilidade de um grito de revolta, em alguns momentos, respaldou-se numa sintomatologia bem particular para ser ouvido, trazendo à tona a insatisfação de mulheres reprimidas, represadas. A histeria foi a expressão (possível) dessas mulheres “num período em que os ideais tradicionais de feminilidade (ideais produzidos a partir das necessidades da nova ordem familiar burguesa) entravam em profundo desacordo com as recentes aspirações de algo mais”. Em Viena, ao se deparar com o sofrimento das mulheres deslocadas, pelas injunções da modernidade, de seu lugar no discurso tradicional sobre a feminilidade, Freud, ao iniciar sua clínica, ouviu as histéricas, abrindo as portas da psicanálise. O esclarecimento da etiologia da histeria é paralelo às principais descobertas da psicanálise: inconsciente, fantasia, recalque, identificação, entre outras. Apesar de ser bem circunscrita pela cultura, a histeria não se conteve no mundo europeu; no Brasil, Machado, cujo olhar arguto o levou a perceber detalhes de funcionamento da sociedade carioca do final do século XIX, chamou a atenção, nas entrelinhas de seu discurso, para as necessidades e direitos da vida afetivo-sexual de suas leitoras. Desse modo, as “idéias fora do lugar” percebidas por Machado se estendem também a um certo desgaste entre os anseios das mulheres e o permitido pela sociedade. Daí a histeria ter sido uma solução de compromisso, por parte das mulheres, entre antigas posições, modalidades já estabelecidas do gozo feminino e novos anseios que traziam consigo angústias típicas do retorno do recalcado.

Tudo isso parecer ser o resultado do fato de o século XIX ter-se revestido de um certo puritanismo em relação às mulheres. Por constituir o Outro de um discurso que tentava encaixá-las em um molde repressor, a mulher foi vista e entendida como um ser da natureza, que necessitava ser dominada. O desejo irrepresável da mulher levou os homens a verem o sexo feminino como um “continente negro”, evocado pelo próprio Freud, como algo incompreensível, misterioso, assustador.

Ainda, talvez pelo grito de socorro ecoar nos mais diversos ambientes, o século XIX debruçou-se sobre as questões do feminino, sendo um período rico em personagens femininos, apesar de serem retratados por homens. Machado também, em diversos contos, corrobora a visão de sua época sobre as mulheres na fala de seus narradores. As mulheres nunca aparecem nos contos de Machado como portadoras de voz: são fruto de um olhar masculino, encarnando o papel que lhes cabe numa sociedade patriarcal, ou seja, são reflexo de olhar do outro, sendo esse outro um homem.

Quintília é o foco da conversa entre dois homens, protagonizando o papel que lhe confere o título do conto: ela é a “desejada das gentes”. O título também nos indica que a mulher é objeto não só das conversas mas também da libido dos homens. Mais ainda, o verbo desejar, colocado na sua forma de particípio, não só adjetiva a mulher mas também lhe dá um caráter de passividade frente à situação que se abre no decorrer do conto – o que será um engano, pois Quintília, apesar de toda a patologia é quem comanda a ação dos homens que a cercam: é objeto, indubitavelmente; mas também atua como sujeito. A passividade está presente em sua incapacidade de reconhecer seu próprio desejo, enclausurando-a numa sintomatologia que lhe engessará toda a possibilidade de realização como mulher. Quintília é uma personagem que movimenta também pulsões de morte à sua volta. Talvez reaproveitando o título deste conto e inspirado pelas características da protagonista, Manuel Bandeira, utiliza-o mas num sentido inverso: “A indesejada das gentes”. Ao analisar esse poema de Bandeira, Davi Arrigucci Jr. indica a origem da expressão: “A fórmula batida é ‘o desejado das gentes’, registrada por Moraes, em sua acepção corrente para designar Cristo. Na Bíblia se acha também a expressão “desejado das nações”, para o Messias, assim chamado em várias passagens (do Deuteronômio, dos Salmos e de Isaías). Machado desloca a expressão que indica “o salvador” para uma figura feminina, que insiste em resguardar sua virgindade.

A história é narrada em flashback por um protagonista-narrador, que nos é apresentado como “conselheiro”, a um outro homem, provavelmente um conhecido seu. Muitos anos já se passaram desde a época do narrado, conforme indicam os cabelos grisalhos do narrador, cuja história se confunde com a moça, pois fora ele um de seus apaixonados e sua narrativa será fruto de suas lembranças particulares, nas quais se misturam a imaginação do poeta e o desejo do homem: “Todas essas caras que aí passam são outras, mas falam-me daquele tempo, como se fossem as mesmas de outrora; é a lira que ressoa, e a imaginação faz o resto”. A história se confunde com ficção; quem narra conta o que viu, viveu, o que testemunhou e também o que imaginou, o que desejou. Portanto, o narrador já indicia, logo de início que o leitor deve ser prudente em sua leitura, pois as palavras que lê são fruto da imaginação: a matéria narrada esta revestida de um sentido imaginário que, na verdade, faz parte da vida.

A história contada pelo conselheiro será a de sua paixão por Quintília e as peculiaridades desse relacionamento. Mulher bela, rica e elegante, Quintília pertencia à “primeira roda” da sociedade fluminense, sendo uma exceção desde sua apresentação, pois não só não aparentava a idade que tinha mas também fazia questão de alardear isso, contrariando o desejo de toda moça ser conhecida como mais nova do que realmente era: “Trinta anos. Não os parecia, nem era nenhuma inimiga que lhe dava essa idade. Ela própria confessava e até com afetação. Ao contrário, uma de suas amigas afirmava que Quintília não passava dos vinte e sete; mas como ambas tinham nascido no mesmo dia, dizia isso para diminuir-se a si própria”. Era alta e magra e, ao contrário de heroínas românticas, não aparentava trazer nenhum segredo: “tinha os olhos, como eu então dizia, que pareciam cortados da capa da última noite, mas apesar de noturnos, sem mistérios nem abismos”. O mistério que move a narrativa reside no celibato da moça que era motivo de especulações das mais diversas por parte dos membros da sociedade da época. Quintília vai contra a ordem vigente, pois se o objetivo de toda moça deveria ser casar-se e ser mãe e não permanecer solteira, como compreender o desperdício de pretendentes de sua parte: “e todos pasmavam do celibato da moça que lhes parecia sem explicação”. Machado, como dissemos anteriormente, escrevia para e sobre mulheres. Portanto, boa parte de seus contos publicados em revistas femininas, ou mesmo em jornais da época, gira em torno do tema do casamento.

Se o casamento é, sobretudo no século XIX, um objetivo a ser almejado pelas mulheres, permanecer solteira implicava um desprestígio e a entrega definitiva dos sonhos de status e vantagens sociais: casar-se representava uma função fundamental na vida da mulher, sobretudo a da elite. Se uma moça ficasse solteira lhe restariam poucas opções: viver solitária, caso tivesse dinheiro suficiente para se manter; o desmerecido trabalho no magistério, ou mesmo, para classes mais baixas, o trabalho de costura. Mais ainda, o casamento oferecia uma real – e única, para a mulher – possibilidade de ascensão social.

Um lugar comum nos contos, e na obra de Machado como um todo, é a quase impossibilidade de coadunar amor e interesse nas relações de matrimônio. As mulheres machadianas dão preferência para o status social, pois, assim como os homens retratados, elas também têm junto ao seu desejo uma ambição marcada. Vemos, assim, que o percurso do desejo na ambição feminina passará, necessariamente, pelo relacionamento das mulheres com os homens. No entanto, trata-se do Brasil oitocentista e, portanto, de relações marcadamente patriarcais, restando pouquíssimas opções para as mulheres, restringidas por imposições sociais, mais fortes do que um discurso que as cerceava: o discurso natural.

No entanto, o conto vai além do simples tema do casamento, que não parece ser o objetivo principal da protagonista da história, elencando inúmeras razões pelas quais alguém poderia protelar tal “anseio de toda moça”. A heroína já goza de uma posição social privilegiada, não vendo o casamento como um degrau possível de ascensão social. Por outro lado, Quintília representa a mulher de difícil conquista, uma “fortaleza inexpugnável”, suscitando inclusive uma aposta entre o narrador e um amigo, um tal Nóbrega: ambos queriam saber quem conseguiria romper o celibato da moça e subjugá-la: “Pois lembrou-me uma coisa: vamos tentar o assalto à fortaleza? Que perdemos com isso? Nada; ou ela nos põe na rua, e já podemos esperá-lo, ou aceita um de nós, e tanto melhor para o outro que verá o amigo feliz”. De algum modo, a aposta revela as disputas narcísicas possíveis de ocorrer entre homens, tão comuns na vida e na literatura. Os homens nas suas disputas pelos objetos sexuais disponíveis, sempre encontram maneiras para pavonearem–se uns diante dos outros: “Combatamos pela nossa Quintília, minha ou tua, provavelmente minha porque sou mais bonito que tu”. O que começou como simples brincadeira, tomou outras proporções e ambos acabaram se apaixonando pela moça: “Não tínhamos contado com ela, que nos enfeitiçou a ambos, violentamente”. Por fim, a amizade entre os dois acabou-se de vez, sobretudo quando Nóbrega recebeu uma negativa de Quintília: “daí a pouco tempo, ou por desengano verbal que ela lhe desse, ou por desespero de vencer, Nóbrega deixou-me só em campo. Arranjou uma nomeação de juiz municipal lá para os sertões da Bahia, onde definhou e morreu antes de acabar o quatriênio”. Assim, Nóbrega, como tantos outros pretendentes, ao se deparar com as negativas da moça, afastou-se, mas o narrador, apresentando uma incomum persistência, permanece ao lado da moça, tentando conquistá-la.

---
Fonte:

Marta Cavalcante de Barros: “Espirais do desejo: Uma visão da mulher nos contos de Machado de Assis”. (Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária, do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de são Paulo, para obtenção do título de Doutor em Letras. Orientadora: Profa. Dra. Adélia Bezerra de Meneses). São Paulo, 2002. Disponível em: www.caminhosdoromance.iel.unicamp.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário