04/03/14

Os Retirantes, de José do Patrocínio

 Os Retirantes, de José do Patrocínio
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).




----
José do Patrocínio: “... o último negro vendido do Brasil ...”

No ano de 1881, durante a apresentação de Quintino Bocaiúva a candidato a deputado da Corte, na Assembléia Geral do Partido Republicano, ocorreu uma interessante discussão entre Patrocínio e Bocaiúva. O candidato Bocaiúva se apresentou “como reformador e propagandista” que “está e pretende ficar no terreno da evolução social repudiando absolutamente todo e qualquer apelo à revolução material.” José do Patrocínio provocou Bocaiúva pedindo que explicasse melhor “as idéias do partido” pois muita “coisa poderia passar por idéia do partido, não o sendo”. O candidato republicano retrucou ao afirmar que nenhum partido escolheria um candidato que não soubesse das suas idéias, e no fim respondeu que o Manifesto publicado em dezembro de 1870 era a base do partido.

Encerrado este ponto da discussão, Bocaiúva fez questão de trazer à tona a problemática da abolição da escravidão por “saber ser o pensamento dominante do amigo que o interrompe”. Afirmou que esta reforma social é uma causa nobre e que “não admitia a idéia da república ligada à idéia da escravidão.” Mas, pediu cautela aos abolicionistas pois a forma como estava sendo desencadeada a campanha abolicionista poderia trazer sérios riscos à nação.

“Como republicano é e não pode deixar de ser abolicionista”, afirmou Bocaiúva na ocasião, acusando, por sua vez, Patrocínio de ser antes abolicionista que republicano, e é neste ponto que estava instalada a divergência – o que deveria vir primeiro, a abolição ou a república?-. Segundo Quintino Bocaiúva a abolição era uma preocupação dos republicanos. A polêmica com os abolicionistas era “somente quanto à ocasião e modo de efetuar-se essa importante e necessária reforma.” No momento caloroso da discussão Patrocínio afirmou: “ Se o partido republicano quer fazer aliança com os Senhores de escravos, nós outros havemos de fazê-la até com o imperador.”

Patrocínio acusava Bocaiúva de querer contemporizar com a escravidão, de vê-la como necessária para o país, contrariando a tradição republicana que sempre combatera a escravidão. Bocaiúva, por sua vez, alegava que a emoção, tão presente nos discursos abolicionista de Patrocínio, não era o caminho para resolver o problema da escravidão.

No fim da discussão Patrocínio conclui. “Voto no Sr. Quintino Bocaiúva, como republicano; mas desde já reservo-me o direito de combate-lo na tribuna do parlamento se repetir estas palavras que aqui proferiu.”

A querela entre abolicionistas e republicanos esteve presente na década de 1870 e percorreu os anos finais de 1880 e é neste cenário de disputa de projetos sociais e políticos que devemos compreender as ações de Patrocínio qualificadas, por muitos da sua época, como contraditórias e imprevisíveis. Um momento claro de distanciamento entre republicanos e abolicionistas ocorreu durante as comemorações da abolição na província do Amazonas, no ano de 1884, quando o Clube Republicano Tiradentes pediu
afastamento da Confederação Abolicionista.

O Clube Republicano Tiradentes alegou, no seu afastamento, divergência diante da “attitude que os republicanos, que fazem parte da Confederação tomaram diante dos últimos acontecimentos políticos. Attitude que o Clube considera desproveitosa para causa republicana.”.

Que atitude é esta? Possivelmente o apoio da Confederação Abolicionista ao Gabinete liberal de Sousa Dantas. O jornal Gazeta da Tarde, de José do Patrocínio, respondeu da seguinte forma a questão:

Se a República, que se quer fundar no Brasil, pretende se limitar a escrever um programa e a deixar perdurar todos os erros sociais, contra os quais ela se insurge, melhor é deixar-nos ficar como estamos, porque ao menos a monarquia vai procurando mascarar diante da América e do mundo a nossa vergonha. O manifesto é uma offensa a sinceridade de alguns dos co-religionarios do Clube Tiradentes, é um erro politico, filho não sabemos da que causas secretas [...]

Em 1887, quando Quintino Bocaiúva se candidatou a deputado da Corte, este buscou apoio político junto à Confederação Abolicionista. A Confederação, por sua vez e por ironia do destino era quem agora desejava afastamento do Partido Republicano ao conjeturar momento propício à realização da abolição, decidindo, então, apoiar a candidatura do conservador Ferreira Viana. Para a Confederação a causa abolicionista estava fora de qualquer interesse partidário, principalmente depois que “nenhum dos partidos quis encarregar-se della”. Atemorizados pela complexidade que era a questão servil, “cada um desertou dos seus compromissos históricos para com os escravos”.

Assim, “reconhecido que um ministro vem servir com sinceridade à abolição” é o dever de todos “aqueles que querem a abolição immediata sem indemnização é votar no ministro”. A idéia passada pela Confederação Abolicionista era que todos os abolicionistas deveriam votar em Ferreira Viana como uma forma de mostrar ao governo a urgência da abolição e o quanto ela era desejada pela nação.

Nenhum abolicionista sincero pode deixar de votar no ministro candidato. Não devendo os abolicionistas republicanos, ainda [..], trhair os alliados monarchistas da véspera, na hora da vitória da causa, obtida por esforços communs [...]. Primeiro honra-lhes pela a selecção do problema servil do da fórma de governo. Segundo: a previsão política lhes aconselha não offerecer pretexto, e o mais justificado, por que a prudência governamental demore a extincção definitiva do captiveiro.”

A Confederação aproveitou para fazer uma campanha contra a candidatura de Quintino Bocaiúva relacionando-o a um eleitorado escravista.

Sob o ponto de vista histórico e social que há de responder o republicanismo quando apresenta candidato para receber suffragio do escravismo em favor da republica, ao passo que a monarchia se sujeita-se à ameaça da condemnação perpetua em nome e em serviço da liberdade?

O jornalista José do Patrocínio além de publicar em primeira página este manifesto também assinou como membro orador da Confederação, ratificando o posicionamento da instituição abolicionista.

Se para Patrocínio a prioridade era a abolição para Quintino era a república. A disputa intelectual tornou-se mais evidente na discussão escravidão e abolição. Em artigo publicado no dia 19 de março de 1888 o abolicionista Patrocínio dirigiu sua crítica aos partidos acusando-os de nunca terem feito da “... abolição o seu programa de
ação...”, mas de a utilizarem como arma de oposição ao partido que então dominava o Gabinete do Conselho de Ministro. Segundo Patrocínio “republicanos, liberais, conservadores são igualmente réus do crime do roubo de almas, como o Canning chamou à escravidão.”

A sua estratégia era apresentar o maquineísmo dos partidos, diante do abolicionismo, para justificar a ação do Poder Moderador, exercida pela Regente Isabel, que acabava por estabelecer um novo Gabinete chefiado por João Alfredo. Patrocínio demonstrou seu apoio à nova situação política totalmente favorável a uma revolução, pois segundo a sua visão se concretizava, com João Alfredo e a Princesa Isabel, uma aiança entre o soberano e o povo. E por fim, concluíu: “A idéia da libertação da escravatura é grande demais para se enquadrar nos estritos moldes dos partidos atuais do Brasil [...] A extinção da escravidão é uma idéia nacional, pertence ao povo brasileiro.”

Com a assinatura da Lei Áurea, Patrocínio deixou explícito em seu jornal, Cidade do Rio, e em diversas festas, das quais participou em comemoração à assinatura da “Lei Emancipadora”, o seu agradecimento ao Gabinete João Alfredo e à Princesa, chamando-a de Redentora. A sua gratidão à Princesa Isabel foi para os republicanos um ato imperdoável, acusando-o de defensor da monarquia, ou seja, um traidor.

No dia 14 de setembro de 1888, Patrocínio escreveu um artigo, intitulado Respondo..., onde justificava a sua posição de elogios e aproximação à Princesa nos momentos finais da abolição. O jornalista culpou os próprios representantes do partido republicano de São Paulo e do Rio de Janeiro por esta aproximação, já que estes contaram com adesões de fazendeiros defensores da escravidão que pleiteavam uma indenização do governo devido à abolição. Afirmou ser seu principal objetivo acabar com a escravidão, e mesmo sendo “republicano revolucionário” apoiava a Princesa 136 Cidade do Rio, 19 de março de 1888.

Isabel e o Gabinete 10 de Março por terem decretado a abolição. Uma vez que, “Partido Republicano negou-se a deixar aferir a sua bandeira pelos sentimentos abolicionistas.”

Qual é mais digno, beijar a mão da senhora que levantou uma raça ao ponto de o sr. Silva Jardim já a considerar capaz de poder presidir a República,[...]; ou apoiar-se na fortuna e no ódio dos escravistas para subir às altas posições do Estado? Há no meu procedimento uma contradição e eu não contesto. Quem é responsável, porém, eu ou o Partido Republicano? [...] Os republicanos não assumiam a responsabilidade da propaganda abolicionista; a princesa não se arreceava de tomar patentes, públicos os seus desejos de ver extinta a escravidão.

Patrocínio viu no Partido Republicano do Rio de Janeiro e de São Paulo partidos de escravocratas interessados na indenização. E afirmou em artigo publicado no dia 18 de junho de 1888.

Este pedido de indemnisação, de auxílios a lavoura, de bancos de emissão, essa lenga-lenga do venha nós dos cofres públicos, demonstra o que sempre dizemos: que a escravidão havia convertido o governo brasile no socialismo o mais torpe, porque se resumia no roubo do paiz inteiro em beneficio de uma classe: a lavoura. [...] Os clubs neo-republicanos são os mesmos clubs de lavoura da escravidão. O tom, a ameaça são os mesmos. ( destaque dado pelo autor)

O Terceiro Reinado representava para José do Patrocínio o governo do povo, uma vez que a abolição do trabalho escravo evidenciava a relação harmoniosa entre o governo e a vontade do povo. “Sua alteza sentindo que o povo desejava a abolição e que tinha no governo homens que a queriam também, embarcou-se resolutamente na galera que devia aventurar-se aos mares desconhecidos do futuro.” Sim, Patrocínio defendeu o Terceiro Reinado, porque este governo seria da Princesa Isabel o que para ele representava a continuidade das reformas sociais. A forma de governo, Monarquia vinha atrelada à pessoa, e não o inverso, que é um entendimento completamente diferente.

[...]


---
Fonte:
Rita de Cássia Azevedo Ferreira de Vasconcelos: “República sim, escravidão não: O Republicanismo de José do Patrocínio e sua vivência na República”. (Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal Fluminense. Mestrado em História Contemporânea I na Universidade Federal Fluminense. Orientador: Prof. Dr. Humberto Fernandes Machado). Niterói, 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário