02/12/13

Humor Darwinista, de Iba Mendes

Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: 
Os livros estão em ordem alfabética: autor/título (coluna à esquerda) e título/autor (coluna à direita).


---
---


É realmente possível abordar o Darwinismo pelo viés do humor ou de uma “cantiga de escárnio”, isto é: através da uma crítica sutil e mordaz aos seus “costumes”?

Como resposta, basta dizer que minha principal fonte de inspiração veio do próprio seio da Teoria da Evolução, especialmente dos devaneios darwinisíacos dos devotos do naturalista  inglês Charles Darwin, os quais,  inebriados em suas orgias epistêmicas, não hesitam em prestar suas libações bajulatórias  ao homem que teve a idéia mais brilhante de toda a humanidade, que é a Seleção Natural!

A idéia do livro, portanto, não é por em ridículo a Teoria da Evolução em si, mas a forma como muitos de seus defensores agem quando tem suas crenças questionadas e seus postulados rebatidos. 

Partindo do princípio de que não há apenas dois partidos, ou seja: acreditar em Darwin ou acreditar no Gênesis, proponho, tal qual Rémy Chauvin, um terceiro partido, que considero o  mais razoável e objetivo: confessar que se sabe demasiadamente pouco para se poder avançar para uma conclusão definitiva, seja ela qual for...  

Ao centrar na Teoria da Evolução a síntese de todo o conhecimento científico sobre a origem e desenvolvimento das espécies, os exaltados devotos de Darwin deixam às claras a comicidade de sua teoria, indo do ridículo ao bizarro, do fanatismo ao fundamentalismo e da simples bajulação ao culto metaforicamente explícito ao autor de “A Origem das Espécies”, em que ficam expostas as fragilidades de seus dogmas evolutivos, dos quais sobra vasto material para o humor e para a sátira...

Os textos e as imagens a seguir, todos elaborados sem qualquer apuro ou refinamento literário, foi o modo que encontrei para expor as vísceras epistêmicas desses pretensos cientistas de Darwin. Assim sendo, não os induza a outra finalidade... São toscos, grosseiramente toscos...  Fazendo uso do grande mestre Machado de Assis, em seu  “Memórias Póstumas de Brás Cubas”: a obra em si mesma é tudo: se te agradar, fino leitor, pago-me da tarefa; se te não agradar, pago-te com um piparote, e adeus.

É isso! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário