24/12/13

Cartas de Inglaterra, de Eça de Queirós

 Eca de Queiros - Cartas de Inglaterra - Iba Mendes
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(Download)

Os livros estão em ordem alfabética: autor/título (coluna à esquerda) e título/autor (coluna à direita).

---

Cartas de Inglaterra

A 24 de Julho de 1880 a Gazeta de Notícias anuncia aos leitores a colaboração de Eça através de correspondência, que viria a ser coligida neste volume denominado As Cartas de Inglaterra. A colaboração com este jornal mantém-se durante dezesseis anos, sendo a primeira carta publicada na mesma data em que foi anunciada a colaboração.

Estas possuem uma feição mais ensaísta e menos noticiosa, ancorando-se num fato único ou aspecto da realidade. Podem focar diversos aspectos da vida inglesa ou terem um cunho mais nitidamente político, como as que fazem uma crítica severa ao imperialismo.

As fontes que Eça utiliza nesta colaboração com este jornal do Rio de Janeiro são, principalmente, os jornais: Times, Standard, jornais com um pendor mais conservador, e o Spectator, um pouco mais "liberal". A utilização destes jornais é feita em duas direções:

um percurso que parte do fato ou da notícia apreendida na fonte inglesa, depois seguindo um processo de consideração crítica. Utilização mais usual no artigo político, contendo as unidades informativa, reativa e deliberativa em que Eça exerce uma atividade de decifração das informações e opiniões. Há o que se pode denominar de "jogo meta-narrativo" em a relação entre o narrador e a fonte de informação é estreita. As informações são detectadas e referenciadas à realidade. Depois, opõe-nas, compara-as, aproxima-as, expressando a sua tendência e o seu texto através da sua interpretação, seleção e avaliação.

Utilização como mero ponto de partida, espraiando-se depois em relatos em que se podem fazer depois presentes algumas feições típicas da narrativa de ficção. Aqui denota-se a presença da sua atividade enquanto escritor, pela delineação de certos tipos humanos e pela criação imaginativa da cena.

Continua a verificar-se uma abordagem crítica em relação ao posicionamento dos jornais que lhe servem de fonte para a elaboração da correspondência.

---
Fonte:
http://www.citi.pt/

Nenhum comentário:

Postar um comentário