25/11/13

Clara dos Anjos, de Lima Barreto

 Lima Barreto - Clara dos Anjos - Iba Mendes
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: 
Os livros estão em ordem alfabética: autor/título (coluna à esquerda) e título/autor (coluna à direita).


---

Clara dos Anjos, romance de Lima Barreto


Em Clara dos Anjos, ainda que não haja uma associação (mais direta) entre escritor e personagens principais, Lima Barreto não deixou de tematizar seus dramas pessoais por meio de um personagem secundário: Leonardo Flores, poeta alcoólatra que, de tempos em tempos, experimentava acessos de loucura; poeta célebre “que o Brasil todo conhece e viveu uma vida pura, inteiramente de sonhos”. O alcoolismo, inclusive – de certa forma definidor do destino de Lima Barreto em seus últimos 10 anos de vida – tem participação marcante neste último romance publicado pelo autor. Tem-se, aí, mais uma confirmação do tom autobiográfico na obra do escritor. Quando o alcoolismo passou a ter papel central em sua vida, o teve também em sua ficção:

Aparecia, também, em certas ocasiões, o Leonardo Flores, poeta, um verdadeiro poeta, que tivera o seu momento de celebridade no Brasil inteiro e cuja influência havia sido grande na geração de poetas que se lhe seguiram. Naquela época, porém, devido ao álcool e desgostos íntimos, nos quais predominava a loucura irremediável de um irmão, não era mais que uma triste ruína de homem, amnésico, semi-imbecilizado, a ponto de não poder seguir o fio da mais simples conversa. Havia publicado cerca de dez volumes, dez sucessos, com os quais todos ganharam dinheiro, menos ele, tanto assim que, muito pobremente, ele, mulher e filhos agora viviam com o produto de uma mesquinha aposentadoria sua, do governo federal.

Aqui, o tom autobiográfico na construção do personagem se mostra bastante forte. Também Lima Barreto fora um escritor que, quando de sua estreia, chegou a conquistar grande notoriedade, chamando atenção de grandes como Monteiro Lobato, mas teve seu brilho ofuscado pela loucura, “herdada”de seu pai (no caso de Flores, o irmão era quem tinha acessos de loucura, e, no caso de Lima, foi seu pai quem teve esse destino). O fato de não ter ganhado dinheiro com suas obras e de ter seu sustento proveniente de uma aposentadoria do governo federal também são similaridades entre autor e personagem. Ainda que no trecho seja mencionada apenas a loucura do irmão de Leonardo Flores, mais adiante no livro é esclarecido que também o próprio Flores (assim como o próprio Lima Barreto) era acometido por acessos de loucura. O episódio da morte de Meneses, o dentista, bem ilustra este fato.
[...]
Em Clara dos Anjos, “é possível observarmos que a ótica do autor encontra-se sempre permeada pela percepção das profundas discriminações de classe e étnicas que tornam impossível pensarmos numa condição feminina no singular”. Lima Barreto conseguia perceber com bastante clareza que as condições de gênero estavam intimamente ligadas às condições sociais e raciais. Não era possível haver uma única luta feminista sem que antes se reconhecessem as diferenças entre as próprias mulheres.
[...]
Outro exemplo interessante da maneira como o escritor apropriava-se do que acontecia na sociedade em que se inseria para construir uma história alternativa, capaz de fornecer detalhes e explicações desconhecidos da história oficial, é a construção do romance Clara dos Anjos. Além de mencionar costumes e questões importantes para a sociedade da época, a trama parece ter sido inspirada por uma história verídica de um homem que, de acordo com os jornais, “deflorou onze moças e seduziu uma porção de senhoras”. O caso foi anotado por Lima Barreto em 1911, e se tratava de um homem de nome Assis que se comunicava com suas vítimas por meio de cartas e as convencia de que as amava para que, assim, pudesse com elas ter relações sexuais. A proximidade da história de Cassi com a história de Assis é tamanha, que até mesmo as cartas enviadas por Cassi e reproduzidas no romance são praticamente cópias das cartas originais escritas por Assis. Vejamos trechos das cartas de Assis:

Queridinha, confesso-te que ontem quando recebi a tua carta fiquei tão louco que confessei a mamãe que lhe amava loucamente e fazia por você as maiores violências. Ficaram todos contra mim, e a razão por que previno-te que não ligues ao que lhe disserem, por isso peço-te que pese bem o meu sofrimento e escreva-me dizendo o que passou-se durante as últimas vinte e quatro horas, e peço-te perdão de não ter respondido a mais tempo [...] Pense bem e veja se estais revolvida a fazer o que me disseste na sua amável cartinha [...] Saudades e mais saudades deste infeliz que tanto lhe adora e não é correspondido.
[...]
Fui ao Dr. Roma Santos saber o que você tinha ele disse-me que você tinha feito a loucura de molhar os pés na água fria [...] foi pra mim uma grande tristeza em saber que o Dr. Roma Santos sabe de teus particulares moral; enfim que devo fazer se você não quer ser minha inteiramente minha como eu sou teu.

No romance, ao realizar a apresentação de Cassi Jones e seu passado, o autor praticamente reproduz a história de Assis (Cassi, antes de conhecer Clara, “contava perto de dez defloramentos e a sedução de muito maior número de senhoras casadas”) e suas cartas, modificando apenas a grafia de algumas palavras para que ficasse óbvia a ignorância do vilão:

Ele, como de hábito, não falava de seus namoros a ninguém, muito menos a seu pai e a sua mãe; entretanto, para ganhar a confiança da pobre menina, dizia na carta que dissera à mãe que muito a amava ou textualmente: “confessei a mamãe que lhe amava loucamente” e avisava-lhe: “privino-lhe que não ligues ao que lhe disserem, por isso pesso-te que preze bem o meu sofrimento”; e, assim nessa ortografia e nessa sintaxe, acabava: “Pense bem e veja se estás resolvida a fazer o que diçestes na tua cartinha”, etc. Confessava-se um infeliz “que tanto lhe adora” e lamentava não ser correspondido.

Em outra, mostrava-se interessado pela saúde de Nair; e, depois de dar instruções como devia deixar a janela para que ele a pulasse, contava: “tão de pressa soube que estavas de cama fui ao doutor R. S. saber o que você tinha, ele disse-me que você tinha feito a loucura de molhar os peis na água fria” etc., etc. Nessa altura, entrava em detalhes secretos da vida feminina e aduzia: “foi uma grande tristeza em saber que o doutor R. S. sabe de teus particulares moral” (sic).

No fim da missiva, ou quase, dizia:  “enfim que eu devo fazer ‗se você não quer ser inteiramente minha como eu sou teu.”

Neste romance, portanto, tem-se um ponto de partida real do qual se aproveitou Lima Barreto para pensar a trama. Ele contou os detalhes de uma história para os quais não haveria espaço nos jornais da época nem nos livros de história, afinal, tratava-se de um caso do cotidiano, não de um acontecimento capaz de mudar os rumos do país. O escritor conta aqui a história que não foi, mas que poderia ter sido, de personagens perdedores da história, de personagens cujas vidas não interessam à história oficial. Lima Barreto contribui, ainda, para a ideia da Erlebnis proposta por Benjamin, em que as experiências pessoais, menores, passam a se sobressair em detrimento de uma já impossível experiência geral. A trajetória de Clara e de Cassi representa uma das muitas histórias que comporão o mosaico de experiências que darão pistas sobre a história de uma sociedade.

---
Fonte:
Isadora Almeida Rodrigues: “
Literatura, História e Senso Comum:  Lima Barreto e suas representações do músico popular”. (Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Estudos Literários. Área de concentração: Teoria da Literatura. Orientador: Prof. Dr. Reinaldo Martiniano Marques. Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários). Belo Horizonte, 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário