29/10/13

O Coruja, Aluísio Azevedo

 Aluísio Azevedo - O Coruja
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(Download)


Os livros estão em ordem alfabética: autor/título (coluna à esquerda) e título/autor (coluna à direita).

---

A possibilidade de compreender “O Coruja” do ponto de vista de formação.


“O Coruja” foi o oitavo romance-folheiras de Aluisio de Azevedo. Inicialmente  o autor o publicou em capítulos diários, no rodapé   de  “O País”; depois os reuniu no  livro em 1890. (AZEVEDO, p. 15, O Coruja)

Esta obra, embora  não se  constitua  como um  romance  de  formação, com os  elementos e fins próprios que o caracterizariam; pode ser explorada na perspectiva da  formação. Nesta perspectiva, através da  leitura  objetivaremos explorar a  formação do personagem “Coruja”  dentro de  um período sócio-histórico de  transição no Brasil  do  Império para a República; como Aluisio de Azevedo situou a formação de Coruja e seu  amigo Teobaldo dentro deste contexto. Para, Ângela Maria Rubel Fanini (2003) doutora  em Literatura, pela UFSC, cuja tese defendida sobre Os romances-folhetins de Aluísio  Azevedo: aventuras periféricas, “A  obra  de  Aluísio de  Azevedo se  insere  em uma orientação interessada e empenhada da literatura brasileira e é nesse sentido que permite que as relações entre literatura e sociedade possam ser rastreadas.” 

Nesta perspectiva que poderemos situar como os principais personagens criados  por Azevedo, Coruja e  Teobaldo, são submetidos no colégio interno à  educação no período de transição entre o Império e a República. No interior da escola, bem como aos  cuidados do Padre, Coruja é  encaminhado em sua educação conforme  a  pedagogia clerical que preponderava no período imperial. Em contradição a esta educação formal, Coruja encontra espaços para uma formação aos moldes mais republicanos: na relação  com a música, com a leitura e as letras, bem como, com a natureza. Relações de ensino-aprendizagem mediadas  por personagens “marginais”  ao ensino  formal. Um desses personagens marginais,  é  o Caixa  d’Óculos, criado da  escola, que  abre  espaço para  o Coruja para sua relação com os livros, quando conquista o espaço da biblioteca, outra  relação se estabelece também com a família Albuquerque. Assim, situaremos como na  formação de Coruja, preponderou a educação republicana e os desdobramentos para a  constituição de sua personalidade. 

Nesse processo de  formação, Coruja  estabelece  relação de  mediação  fundamental com Teobaldo, de início no colégio interno, avançando ao longo de suas vidas. Através de  Teobaldo, relaciona-se  com a  família  deste.   Transitando entre  a  educação realizada  pelo  Padre, depois no colégio interno, em seguida  o  convívio no interior  da  família  de  Teobaldo, observa-se  as características daquele  contexto sócio-histórico dentro do qual ocorre a formação de Coruja. Objetivaremos como Aluísio de  Azevedo contextualiza  a  formação dos personagens num espaço de  contradição entre  uma pedagogia clerical  estabelecida e  de  outro, uma pedagogia que  se  insinua  e  necessária para a formação de um homem republicano. Tratam-se então de constituição de  sujeitos ou personalidades distintas, que  se  objetivam nos personagens Teobaldo e  Coruja. Colocaremos em relevo, como Coruja encaminhou-se na direção da constituição de um sujeito republicano, enquanto Teobaldo num sujeito aos moldes imperialistas.  

Para  refletir sobre  esses aspectos neste romance, faremos uso do  método progressivo-regressivo, proposto por Jean Paul Sartre em “Questão de M todo”, ou seja,  analisar o singular do Coruja, ir ao Universal do contexto sócio-histórico em que estava  inserido, e assim com Teobaldo. Situaremos como o próprio autor Aluisio de Azevedo se fez no personagem Coruja. O próprio Aluisio de Azevedo se fez Aluisio de Azevedo nesse contexto sócio-histórico de transição, numa posição crítica em relação ao Império  e ao clérigo. 

A  geração  realista  de  intelectuais produz  em  um  momento  histórico  bastante rico  e  complexo da história brasileira. Esses intelectuais, em sua maioria, posicionavam-se  contra o Segundo Império, criticando as políticas públicas do Imperador D. Pedro II  por intermédio de romances, contos, crônicas, caricaturas, teatro etc. Boa parte dessa  intelectualidade era abolicionista, republicana e positivista e, por isso, não gozavam  da proteção do mecenato palaciano exercido pelo Imperador. Os escritores realistas, desprovidos de uma política pública de apoio à sua produção intelectual, lutavam para se inserir no circuito cultural, publicando em jornais e periódicos, contribuindo desse  modo, para estabelecer relações de mercado no universo cultural.” (FANINI, 2003, p.  2)  

Através de um personagem fictício, Aluisio de Azevedo se fez ver. Sabidamente  Aluisio de Azevedo era republicano, divergia dos padres e da educação clerical. Aluisio de  Azevedo “...acobertou-se  sob pseudônimos (...)  para  atacar os padres, numa irreverência descabida(...)”  (p. 11, O Coruja). A posição de  Aluisio de  Azevedo pode  fazer-se reconhecer no personagem Coruja, em suas qualidades e atitudes.  Para  refletir sobre  as  relações entre  esses elementos, utilizaremos como  categorias: mediação, socialização, sociologização, reciprocidade,  projeto  e  desejo de  ser, episodio, atmosfera humana, clima antropológico, contexto sócio-antropológico.

---
Fonte:
Aluna Lara Beatriz Fuck : “A possibilidade de compreender “O Coruja” de Aluisio de Azevedo do ponto de vista de formação”. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis,  2008.

Nenhum comentário:

Postar um comentário