12/09/15

Lágrimas Abençoadas, de Camilo Castelo Branco

Para baixar o livro, clique na imagem e selecione-o em: 
http://www.projetolivrolivre.com/
---
Disponível também em "Minhateca", no link abaixo:



---

O diálogo camiliano com o Realismo  francês e português


Como mencionamos anteriormente, entre os séculos XVIII e XIX, muitos acreditavam que seria possível estabelecer padrões morais que não estivessem vinculados à religiosidade. Na literatura, essa convicção intensificou-se com o advento da estética realista-naturalista. Para que possamos entender com maior precisão os conceitos desse movimento, é necessário retornar às suas bases fundadoras. Como se sabe, “a escola realista, que tem seu período literário claramente localizado na segunda metade do século XIX, teve como centro irradiador a cultura francesa” (Cf. MARTINS, 1997, p.21). Com o intuito de resgatar as concepções desse movimento literário, Cândido Martins, no ensaio intitulado “Afirmação da estética realista-naturalista e a recepção crítico-parodística de Camilo” - por meio de romancistas franceses, tais como Stendhal, Flaubert e Zola- esquematiza as tendências que o nortearam, a saber: restrição do fantástico, neutralidade do ponto de vista, personagens verídicas, paisagens reais e fascínio pelo detalhe descritivo, época contemporânea, linguagem cotidiana, análise experimental. Então, assim como Cândido, recorreremos a obras de Zola, a fim de entender como os conceitos citados anteriormente foram empregados na literatura do período. As obras "Senso do real" e Romance experimental parecem-nos instrumentos propícios para concretizarmos essa tarefa. No primeiro deles, o autor de Rougon-Macquart (Cf, 1995, p.23) afirma que todo o romancista que está inserido em um determinado momento histórico e literário tem uma característica mestra. Sabe-se que, na estética romântica, tal característica diz respeito à imaginação; no entanto, com o surgimento da literatura realista-naturalista, os textos que não apresentam necessariamente compromisso com a realidade perdem a prioridade. Portanto, espera-se que o escritor dê vida a personagens reais num meio real, oferecendo ao leitor um fragmento da existência humana:

[...] Insisto nesse declínio da imaginação porque vejo nisso a própria característica do romance moderno. Enquanto o romance foi uma recreação do espírito, um divertimento ao qual não se pedia senão graça e verve, compreende-se que a grande qualidade era antes de tudo mostrar nele uma invenção abundante (...) Com o romance naturalista, o romance de observação e de análise, as condições mudam imediatamente (...) o grande negócio é colocar em pé criaturas vivas, representando diante dos leitores a comédia humana com a maior naturalidade possível. Todos os esforços do escritor tendem a ocultar o imaginário sob o real" (ZOLA, 1995, p.24)

Percebe-se que, para Zola, o processo de criação de uma obra literária deve basear-se na representação da natureza. Todavia, a definição desse termo não se restringe ao meio físico, visto que seu significado torna-se mais amplo na medida em que é empregado para determinar o meio social. Daí que o recinto familiar, profissional e os demais espaços por onde os personagens circulam e as pessoas com quem convivem são fundamentais para a construção do romance. Com efeito, se um romancista naturalista pretende escrever acerca do mundo do teatro, precisa, em primeiro lugar, reunir todas as informações a respeito desse tema. Posteriormente, far-se-á necessário visitar e observar detalhadamente o círculo social e os indivíduos que deseja retratar. Em suma, ao final do processo, ele estará envolvido pelo ambiente e, consequentemente, o romance se estabelecerá por si mesmo. Embora não empregue a imaginação na criação da narrativa, o escritor realista-naturalista não é um ser passivo no processo de produção literária. De acordo com o autor de Germinal (Cf. 1982, p.34), cabe ao romancista estimular mudanças por meio de sua observação. De um modo geral, “o escritor de ficção apresenta-se como o pintor ou fotógrafo, o cronista ou secretário da sociedade, da qual pretende traçar um inventário, estudando e retratando a sociedade e o homem contemporâneos em grandes cenas ou painéis” (MARTINS, 2003,p.19).

Desse modo, no método experimental desenvolvido pelo Realismo de escola, o romancista observador-experimentador dirige os seres ficcionais, vinculando-os à natureza. Consequentemente, a descrição do meio torna-se peça fundamental nesse processo, na medida em que determina e submete a personagem:

[...] Isso significa dizer que já não descrevemos por descrever, por um capricho e um prazer de retóricos. Achamos que o homem não pode ser separado de seu meio, que ele é completado por sua roupa, por sua casa, por sua cidade, por sua província; e, dessa forma, não notaremos um único fenômeno de seu cérebro ou de seu coração sem procurar as causas ou a consequência no meio. Daí o que se chama nossas eternas descrições "(...) Num romance, num estudo humano, censuro absolutamente toda descrição que não é um estado do meio que determina e completa o homem." (ZOLA, 1995, p. 43).

Em suma, a literatura que prioriza a descrição como simples representação do estado de alma concede lugar à outra que emprega a descrição como meio de determinação social. Essa nova proposta, no entanto, nos leva a formular algumas indagações: por que associar literatura à ciência? Qual a vantagem de seguir um caminho nunca antes trilhado na história das estéticas literárias? A resposta para tal questão encontra-se no ânimo dos eufóricos e esperançosos que viam na ciência experimental um instrumento eficaz para reconstruir uma sociedade livre de problemas, gerados supostamente pela imoralidade. Nas palavras de Zola (1982, p.48):

[...] Somos, em uma palavra, moralistas experimentadores, mostrando, pela experiência, de que modo uma paixão se comporta num meio social. No dia em que detivermos o mecanismo desta paixão, poderemos tratá-la e reduzi-la ou pelo menos torná-la a mais inofensiva possível. Eis onde se encontram a utilidade prática e a elevada moral de nossas obras naturalistas, que fazem experiências com o homem, que desmontam e tornam a montar peça por peça a máquina humana, para fazê-la funcionar sob a influência dos meios (...) Ser mestre do bem e do mal, regular a vida, regular a sociedade, resolver com o tempo todos os problemas do socialismo, e, sobretudo, trazer bases sólidas para a justiça, resolvendo pela experiência as questões de criminalidade, não é ser os operários mais úteis e mais morais do trabalho humano?

Partindo do excerto precedente, podemos afirmar que os métodos aplicados nos romances naturalistas culminam num objetivo comum: decifrar o comportamento humano, para assim poder moralizá-lo. Por conseguinte, promover-se-iam meios para as transformações política, religiosa, econômica e moral da sociedade. Daí que a literatura teria então a função morigeradora, já que sua finalidade didática e reformista seria o melhor instrumento de moralização social (Cf. MARTINS, 1997, p 49).

Ora, se partimos do pressuposto de que a Europa oitocentista pode ser, como observa Moretti (Cf. 2003, p.184), dividida em partes cujos extremos são ocupados por França e Grã-Bretanha, países estes que difundem sua literatura para outros sempre na periferia, parece-nos previsível que a teoria positivista, a princípio francesa, posteriormente tenha alcançado notoriedade entre os escritores portugueses. Todavia, seria um lapso pensar que eles a incorporaram incondicionalmente, pois, se por um lado alguns defendiam a literatura de cariz científico; outros acreditavam, tal como Antero de Quental, que “o anelo de absoluto intuído pela alma humana, se já não se satisfazia com as explicações transcendentes e antropomórficas da religião, também não se sentia preenchido pela mera generalização dos resultados das ciências a que se reduzia o positivismo” (CATROGA, 1993, p. 572). Para o segundo grupo, o positivismo não poderia tornar-se a filosofia do futuro, ao menos que se ampliasse a ponto de abranger a metafísica.

Mas, apesar das divergências, era consenso entre esses intelectuais que “o escritor tinha por missão semear a seara nova, a fim de educar os educadores e de elevar a cultura a instrumento reformador da sociedade” (CATROGA, 1993, p.569). Daí que os poetas e romancistas portugueses, sobretudo aqueles da “geração de 70”, vislumbraram a possibilidade de promover mudanças sociais, políticas e econômicas, por meio da literatura. Vejamos o que diz a esse respeito o já mencionado Cândido Martins (2003, p.9):

A partir de novas matrizes filosóficas e científicas (do idealismo hegeliano às doutrinas republicanas e socialistas, até o ideário positivista), os novos intelectuais contrariam violentamente a estagnação reinante. Impunha-se lhes a necessidade de acompanhar o Progresso; era preciso derrubar velhos ídolos; destruir anacrônicas convenções, integrantes de uma sociedade velha e decadente. Numa palavra, era urgente “ligar Portugal com o movimento moderno”, isto é, europeizar Portugal, articulando-o com o progresso irradiado por Paris, Londres ou Berlim.

Para promover a reforma social, acreditavam ser necessário substituir a subjetividade romântica pelo engajamento realista, dando início à querela, conhecida como Questão Coimbrã. Como se sabe, os escritores da nova geração contestaram seus antecessores, na medida em que difundiam a ideia de que o individualismo romântico não contribuía para a restauração de Portugal. Esse conceito foi exposto nas Conferências do Casino, em 1871, por vários intelectuais portugueses. De acordo com eles, o país estava num estado de declínio moral, social e econômico. Na célebre conferência, intitulada “Causas da decadência dos povos peninsulares nos últimos três séculos”, Antero de Quental atribui a decadência moral dos povos peninsulares, entre outros aspectos, ao catolicismo subsequente ao Concílio de Trento. Segundo o autor, a igreja de Roma organizou de forma completa, poderosa, formidável o despotismo religioso. Quando transportado para os povos peninsulares, esse catolicismo “feriu o homem no que há de mais íntimo, nos pontos mais essenciais da vida moral, no crer, no sentir, no ser: envenenou a vida nas suas fontes mais secretas” (QUENTAL, 1987, p.49). Nesse sentido, Antero de Quental julga necessário enterrar esse passado religioso, a fim de livrar-se das influências que considera deletérias.

Perante o exposto, verificamos que Portugal, como nação, urgia por transformações, que foram reivindicadas pela pena de muitos escritores. Eça de Queirós ressalta a função da literatura como um eficaz instrumento de desenvolvimento moral e social. Tais conceitos, posteriormente, serão expressos em seus romances, seja no Primo Basílio (1878), em que se faz um alerta às consequências funestas do adultério, seja no Crime do padre Amaro (1875), em que se critica severamente a corrupção eclesiástica ou nos Maias (1888), cujo principal cenário é o Portugal decadente.

Concluído o panorama realista que predominou na literatura a partir da segunda metade do século XIX, observamos que, em geral, tanto os romancistas franceses quanto os portugueses nutriam grandes expectativas no que concerne às teorias positivistas. A mesma esperança, no entanto, não é expressa na obra de Camilo Castelo Branco, haja vista que desde suas obras iniciais, o autor, normalmente, desvale os progressos científicos e as proposições oriundas dele.

Muito embora parte da crítica acredite que em seus primeiros romances Camilo se entrega ao subjetivismo lírico, reproduzindo integralmente os pressupostos da estética romântica, cremos que, mesmo em parte dessas narrativas, o romancista já se preocupa em discutir e, frequentemente, criticar a esperança que a maioria de seus contemporâneos depositavam no progresso científico, constatando sua pouca eficácia no que diz respeito ao desenvolvimento sócio moral. É notório que essas arguições se intensificam, na medida em que o autor de São Miguel de Ceide constata o desenvolvimento da literatura que tomou por base a ciência experimental.

Vale ressaltar que não temos a pretensão de afirmar que a obra de Eça de Queirós é, em sua totalidade, realista, visto que esta é apenas uma das vertentes apresentadas no conjunto de sua produção.

Assim sendo, nas obras analisadas nesse estudo, o narrador tece comentários contraproducentes no que tange às expectativas de seus coevos, contudo o faz distintamente. Em O bem e o mal, publicado num período anterior ao auge do Realismo de escola em Portugal, essa crítica se materializa na oposição campo/cidade; ou seja, o espaço citadino é representado como aquele que corrompe, enquanto o rural é responsável pela preservação da tradição e dos preceitos morais. Já em Eusébio Macário e A corja, publicados no apogeu da estética realista-naturalista portuguesa, Camilo satiriza de modo contundente as pretensões da nova escola. De fato, o estudo detalhado das personagens, narradores e paratextos que compõem esses romances mostra que o escritor português assume uma posição contracorrente, já que expõe as frustrações que podem resultar da crença exacerbada na funcionalidade da ciência aliada à literatura.


---
Fonte:
Tatiana de Fátima Alves Moyses: " Camilo Castelo Branco: a moral a serviço das conveniências". (Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Literatura Portuguesa do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade    de Filosofia,   Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para a obtenção do título de Mestre em Letras. Orientador: Prof. Dr. Paulo Fernando da Motta de Oliveira). São Paulo, 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário