05/08/14

Eusébio Macário, de Camilo Castelo Branco

Eusébio Macário, de Camilo Castelo Branco -  Download
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).


---


Eusébio Macário e a Corja

Em Eusébio Macário e A corja, publicados respectivamente em 1879 e 1880, Camilo opta por estabelecer um diálogo com o Realismo-Naturalismo. Essa intertextualidade se faz por meio da paródia. Posteriormente, analisaremos de modo mais detalhado como os pressupostos dessa estética literária são recuperados; analisemos, por hora, a formulação do enredo e a recepção crítica.

Como sabemos, o romance de 1879 relata a história do boticário Eusébio Macário, pai de Fístula e Custódia. A moça é descrita como uma mulher cheia de desejos animais e gestos de marafona que teria herdado da mãe. O rapaz, por sua vez, é um caçador e fadista de tabernas sertanejas, amante da ociosidade e das bebedeiras. Ambos fazem um casamento por conveniência, já que o dinheiro dos cônjuges se sobrepõe a qualquer amor ou respeito. Enquanto ela se casa com um brasileiro que é tão rico quanto asqueroso, ele se une matrimonialmente à Felícia, irmã do mesmo brasileiro e antiga amante de um clérigo. Enfim, ao término do romance, encontramos um grande final feliz: a antiga amante do padre torna-se uma mulher casada com respeitabilidade social; já o sacerdote abandonado continua exercendo as mesmas funções religiosas e procura uma nova amante para suprir a falta da primeira. Os dois irmãos devassos, ricamente casados, também finalizam sua história no mais alto grau de satisfação.

Em A corja, romance em que se dá continuidade à história dos Macários e seus comparsas, os personagens também priorizam satisfações pessoais em detrimento da moral estabelecida. Daí que, mentiras, traições e adultérios são válidos, desde que não afrontem diretamente a opinião pública. Curiosamente, as personagens não são punidas em virtude do comportamento inadequado; além disso, o narrador expõe esses fatos sem expressar qualquer desaprovação.

A crítica não foi unânime no que diz respeito à análise dessas narrativas.

Enquanto alguns estudiosos acreditaram que o escritor português, após consagrar-se como autor romântico, intentou, de fato, compor um romance realista-naturalista, outros entenderam que as páginas de Eusébio Macário e A corja eram uma sátira ao estilo literário difundido por Zola e seus contemporâneos. No primeiro grupo insere-se Feliciano Ramos. De acordo com o crítico (1950, 497), “Eusébio Macário e A corja marcam as alturas a que o romancista ascendeu como cultor do 'romance realista', em que foi um dos maiores da poca”. Tal ascensão seria fruto de sua instabilidade emocional e da ancestralidade mórbida, que o teria levado a um comportamento indisciplinado e permeável. O seu temperamento literário também teria sido permeável a tais práticas. Nesse sentido, enquanto esteve exposto à atmosfera romântica, Camilo teria produzido enredos passionais; no entanto, quando entrou em contato com as tendências realista-naturalistas, deixou-se influenciar por elas, compondo narrativas como Eusébio Macário e A corja.

Por outro lado, Saraiva (1996), como já observamos, afirma que esses romances nada mais são que um reajustamento literário. Em virtude do florescimento da estética realista, o escritor de O bem e o mal), essencialmente romântico, teria sido obrigado a mudar o processo de construção literária. Assim, o romancista teria optado por reproduzir os pressupostos realista-naturalistas em forma de imitação burlesca.

Nesse contexto, Eusébio Macário e A corja seriam uma paródia aportuguesada e Rougon-Macquart, obra de Émile Zola, cujo objetivo é descrever a história de uma família, apropriando-se dos recursos da medicina experimental.

Alexandre Cabral, em Subsídio para uma interpretação da novelística camiliana, no capítulo em que se dedica a analisar os romances publicados em 1879 e 1880, discorre acerca de como a relação de Camilo com o Realismo-Naturalismo culminou na história dos Macários. Dentre as afirmações que integram esse estudo, existem algumas com as quais gostaríamos de dialogar. São elas:

A anunciada cole ão da intermin vel s rie dos “romances facetos”, que viria finalmente a ser constituída apenas por Eusébio Macário (1879) e A corja (1880), introduziu um elemento novo no universo novelístico camiliano profundamente destruidor da “harmonia” até então reinante, sobretudo na ordenação rígida dos princípios imobilistas, refratários a transigências inovadoras. Com efeito, num passe de mágica, desaparecem do palco onde evoluíram os protagonistas de várias épocas, os elementos dominantes e inspiradores das vivências romanceadas nos 50 títulos anteriores produzidos pelo espírito criador de Camilo Castelo Branco. Para trás ficaram a paz dos campos em confronto com a dissolução pernóstica das cidades; a austeridade de vida, ainda que por vezes violenta; a honestidade dos comportamentos, onde afloram também a astúcia e a perfídia de uns quantos degenerados; a pureza dos sentimentos afetivos de tantos heróis e heroínas que comoveram ou indignaram o expectador-leitor; o orgulho, em suma, de proceder da boa cepa lusitana, manifestado pelos abencerragens da tradição. (CABRAL, 1985, p.140)

Entram na intriga romanesca os velhos ingredientes da novela camiliana: recolhas em convento; figuras de brasileiros, a formarem desta vez uma confraria, uma classe, uma corporação; referências diretas a acontecimentos políticos e sociais da época, amores às cataduras (ilícitos todos, ou pouco menos) mas tudo isto sordidamente degenerado. (CABRAL, 1985, p. 145)

De fato, com o advento do realismo, a estrutura narrativa de Camilo Castelo Branco passa por alterações. Como observa Cândido Martins (Cf. 1997, p.45-47), o discurso, que antes era direto, cede espaço ao indireto livre, as narrativas concisas se prolongam em virtude das descrições fastidiosas; a isso, acrescenta-se a atração pelo baixo material e corporal. Mas, curiosamente, como percebemos no excerto precedente, conserva-se os elementos que avivavam os enredos anteriores. Embora concordemos, em parte, com as afirmações de Alexandre Cabral, pensamos que ainda precisam ser problematizadas, pois, apesar de haver mudanças na técnica narrativa, existem, em Eusébio Macário e A corja, alguns aspectos que permanecem desde as primeiras obras, e não estamos nos referindo apenas aos “velhos ingredientes da novela camiliana”, mencionamos, nesse caso, a constituição dos personagens, o narrador, a crítica social e a função atribuída à literatura.

Em romances tais como Onde está a felicidade? ou  Amor de Perdição, Camilo já promovia algumas discussões que só seriam intensificadas nas paródias de 79-80. O que dizer das personagens femininas? Em geral, elas burlam com astúcia as regras de uma sociedade que lhes nega o direito de comandar a própria vida. Nessas obras, o narrador, normalmente, é o portador da crítica social, que, por sua vez, não tem a função de moralizar. Mesmo a hipótese da suposta paz campestre, que de acordo com Cabral predominava numa fase inicial da novelística camiliana, parece não se sustentar em Coração, cabeça e estômago ou Amor de salvação. Em Eusébio Macário e A corja, devido à intertextualidade paródica que se estabelece com o Realismo-Naturalismo, essas críticas sociais ficam ainda mais patentes. Somam-se a elas as críticas que Camilo dirige às tendências literárias moralizantes que predominavam entre os escritores seus coevos.

Nesse sentido, a escolha de Eusébio Macário e A corja como parte integrante do corpus dessa dissertação, justifica-se na medida em que agregam, em si, muito dos elementos comuns na narrativa camiliana. Além disso, a forma como se conduz a narração e o enredo transforma esses romances em um excelente material para o estudo da moral na obra de Camilo Castelo Branco, já que nos permitem questionar por que ele comporia a história de uma corja degenerada sem, ao menos, puni-los no final.

Para responder a essa e a outras eventuais questões, levaremos em consideração o fato de que, provavelmente, a descrença na função morigeradora da literatura é fruto do pessimismo de um romancista que não vê em sua obra um instrumento regulador da sociedade; por isso, não transmite ensinamentos, nem tampouco propõe soluções para os problemas sociais.

---
Fonte:

Tatiana De Fátima Alves Moysés: “Camilo Castelo Branco: a moral a serviço das conveniências”. (Dissertação apresentada ao Programa de  Pós-Graduação em Literatura Portuguesa do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, para a obtenção do título de Mestre em Letras. Orientador: Prof. Dr. Paulo Fernando da Motta de Oliveira). São Paulo, 2011.
Notas
A imagem inserida no texto não se inclui na referida obra. As notas e referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra. O texto postado é apenas um dos muitos tópicos abordados no referido trabalho. Para uma compreensão mais ampla do tema, recomendamos a leitura da obra em sua totalidade. Disponível em: www.teses.usp.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário