02/03/14

Mistério do Natal, de Coelho Neto

 Mistério do Natal, de Coelho Neto
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).
   
---

Imagem: o símbolo como recurso


Esphinge é considerado por muitos estudiosos da literatura como um romance essencialmente simbolista; de acordo com Causo (2003, p. 114) pelas alusões orientalistas, no modo maneirista da descrição de ambientes e na “condenação da Era da Máquina” feita por um dos personagens. Lúcia Miguel Pereira (1988) esclarece que as produções simbolistas se expressam em “frases retorcidas”, “de tonalidades crepusculares” e nisso encontra-se sólida confirmação na narrativa. Os problemas mais recorrentes do Simbolismo na prosa dizem respeito à chamada “literatice”, que é o excessivo jogo de palavras cujo mérito principal parece ser o de demonstrar a perfeita articulação verbal que provava a capacidade do poeta. Instaurando-se através de uma narrativa divagatória e subjetiva, carecia de enredo. Segundo Broca (1952 apud BOSI, 2006, p. 293), “era a assimilação do pior Simbolismo pelo pior Parnasianismo”, por isso, “se tornou um dos principais alvos dos modernistas”. No caso de Esphinge, é possível encontrar alguns elementos que conduzem à literatice, porém, o ritmo da narrativa conduz a um enredo que provoca e motiva à elucidação.

O Simbolismo (mais especificamente, o “símbolo”) encontra-se disseminado por toda a obra, desde nomes, a objetos, em geral96. Alguns exemplos: o manuscrito entregue por James ao narrador, em si, constitui a essência da escola em questão: é um material cujas páginas trazem riscos sinuosos, zigue-zagues, teias intrincadas de escrita, letras em espirais – de tal modo enigmáticas que “perdiam o caracter graphico tornando-se necessario adivinhal-as” (Es., p. 64); à capa do outro livro (o que continha os segredos da criação de James Marian), uma ilustração com dois lírios, um “airoso” e outro “murcho”, a que o próprio James alude a presença do símbolo: “Não havia duvida – era um symbolo encerrando todo o mysterio daquelle escripto arrevesado” (Es., p. 139); James Marian é visto vestido em uma túnica branca quando de suas aparições; Miss Fanny, quando vista no jardim, também exibe vestes brancas: “a cor branca” foi considerada “obsessão, porquanto resumia o ideal de arte simbolista: a vaguidão, a languidez, o mistério, a espiritualidade, a pureza, o etéreo, o oculto” (MOISÉS, 1988, p. 12); as estátuas no jardim de Arhat representam o hibridismo à que submeteu James Marian, mostrando ao convívio do mesmo a existência de outros “seres plurais”: “uma mulher com cabeça de elephante, um monstruoso idolo de cujo tronco partiam numerosos braços [...]” (Es., p. 71); e, mais adiante na narrativa, percebe-se a crítica à religião da inglesa Miss Fanny (protestante) dada a precariedade de símbolos, o que incomoda Frederico Brandt:

Chegamos á capela – núa, sem um symbolo a não ser a cruz triste, de ferro […]. […].
Brandt - Não! Não compreendo religião sem ritual, nem ritual sem pompa. […] Tudo isto é a creação, não é Deus. E esta capel a é uma casa deserta, corpo morto a que falta...
Narrador - Um idolo...
Brandt - […] o symbolo, o symbolo, o eterno e necessario symbolo. (Es., p. 149/151-2).


---
Fonte:
Claudia Jane Duarte Maydana: “Decifrando os enigmas da Modernidade em Esphinge, de Coelho Neto”. (Dissertação apresentada como requisito parcial e último para a obtenção do grau de Mestre em Letras Área de concentração:  História da Literatura Orientadora:  Profa. Dra. Claudia Luiza Caimi - Universidade Federal do Rio Grande – FURG). Rio Grande, 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário