03/03/14

A Sereia, de Camilo Castelo Branco

 A Sereia, de Camilo Castelo Branco
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(
Download)
Os livros estão em ordem alfabética: AUTOR/TÍTULO (coluna à esquerda) e TÍTULO/AUTOR (coluna à direita).


---
Camilo pendular: o olhar da tradição

A partir das sugestões interpretativas de Teófilo Braga, importantes e respeitados estudiosos da Literatura Portuguesa não parecem propor grandes mudanças analíticas. Feliciano Ramos em sua História da Literatura Portuguesa retoma a análise psicológico-biográfica reconhecendo nos antepassados do escritor “gente falha de integridade psíquica e moral”, herança que “[...] imprimiu [...] caráter ao homem, e predispô-lo para desvairamentos e atos indisciplinados. O seu temperamento literário foi permeável a tais práticas” (1950, p.497). Mais uma vez, esse temperamento inconstante do escritor justifica sua produção que para Ramos pode ser dividida em duas fases: “novela passional” e “realismo”.

Tal dualidade que cinge a obra camiliana, é definida de forma canônica por Saraiva e Lopes em sua História da Literatura Portuguesa. Reconhecendo na trajetória camiliana três grandes momentos – uma espécie de evolução do início de sua produção até os anos de 1850; uma fase intermediária que abarca os anos de 1850 a 1875; e, finalmente, após 1875, já em seus últimos anos de produção, nos quais tem sua obra influenciada pelas características do Realismo-Naturalismo – Saraiva e Lopes dão especial atenção à fase intermediária, na qual, segundo eles “Camilo depura o esquema da novela passional” (1984, p.782) e, paralelamente, desenvolve o gênero da novela satírica de costumes. Para os críticos estas seriam as “duas tendências alternativas” suficientes para definir a maior parte das produções camilianas nos 25 anos mais produtivos da vida do escritor.

Assim sendo, criam-se então dois grandes blocos que já haviam sido anteriormente sugeridos por Teófilo Braga. O “idealista sentimental”, responsável pela construção das novelas passionais adotaria a chamada “religião do amor” na qual há uma promoção “do amor a categoria do sagrado, do incomensurável com as normas morais correntes” (SARAIVA; LOPES, 1984, p. 784). Já o “caricaturista”, responsável pelas novelas satíricas de costumes, dar-nos-ia “o quadro de uma vida inteiramente dirigida pela sordidez argentária, pelos prazeres da digestão planturosa, pela ânsia hipócrita, refalsada e brutal da supremacia social, e por outras satisfações vulgares” (1984, p.782). Portanto, a despeito da vastidão da produção e contrariando qualquer possibilidade de inovação, atribui-se a obra camiliana a imagem de dois grandes rótulos que muito embora facilitem a classificação e análise dos romances, inegavelmente simplificam um legado que se mostra mais complexo do que parece.

A simplificação, entretanto, não pára por aqui. Para além de categorizar sistematicamente os romances camilianos, a maior parte dos estudos, indiscutivelmente dará maior atenção às chamadas novelas passionais, gênero que, segundo ela, mais marcou a carreira de Camilo e que o imortalizou como o maior representante do Ultra-romantismo português.

Com relação a esse gênero, grande parte da crítica detecta uma espécie de fórmula que, tirante seus detalhes, permanece a mesma em todas as narrativas passionais. Segundo Massaud Moisés, por exemplo,

[...] a novela camiliana muda apenas e sempre no tocante ao enredo [...], mas o módulo central permanece invariavelmente o mesmo [...]: sempre o amor impossível e superior, ou marginal aos preconceitos sociais, pois brota do mais fundo da carne e da alma, levando ao desvario os apaixonados com as promessas duma bem-aventurança via de regra malograda. (1967, p.212).

Já para Jacinto do Prado Coelho, um dos mais respeitados camilianistas, “a novela camiliana típica, reduzido o enredo a esquema, não passa duma história passional para sacudir os nervos e entreter a imaginação do leitor” (2001, p.465); “Camilo nos transporta a um clima psicológico em que dominam as desgraças amorosas, os destinos cruéis, as vinganças terríveis e os remorsos que matam” (2001, p.240).
  
Não é meu interesse aqui – e seria demasiado cansativo – fazer uma recolha de todas as passagens analíticas que simplificam a chamada novela passional camiliana. É apenas de grande valia destacar que a maior parte das análises operadas desde a contemporaneidade do autor – em especial aquelas presentes em histórias literárias – é incansavelmente reproduzida, sendo igualmente reducionista. Entretanto, embora simplista, é esta a imagem que hoje nos chega solidificada de um dos maiores romancistas do século dezenove português.


---
Fonte:
Juliana Yokoo Garcia: “Amores contrariados, puros e abnegados?”. (Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Literatura Portuguesa do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Letras. Orientador: Professor Doutor Paulo Fernando da Motta de Oliveira). São Paulo, 2008.

Nenhum comentário:

Postar um comentário