04/01/14

Patkull, de Gonçalves Dias (Teatro)

 Goncalves Dias- Patkull - Iba Mendes
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(Download)

Os livros estão em ordem alfabética: autor/título (coluna à esquerda) e título/autor (coluna à direita).



---
A obra dramática de Gonçalves Dias

---
A peça Patkull situa-se no ano de 1707, estende-se de Mecklenburgo a Dresde, e vai até Casimir na Polônia. Patkull, o herói, é um guerreiro destemido, nativo da Livônia, local dominado, sucessivamente, por Carlos XII, da Suécia, por Pedro, o Grande, da Rússia, e por Augusto II, eleito rei da Polônia e posteriormente destronado. Em defesa de sua terra, Patkull  vai para os campos de batalha deixando a noiva, Namry Romhor. O anti-herói, Paikel, suposto amigo de Patkull, e antigo namorado de Namry Romhor, com a ausência do guerreiro tenta recuperar o amor da heroína. Embora Namry mantenha o compromisso de honra com Patkull, Paikel faz com que pareça que Namry traiu o noivo, desencadeando uma série de acontecimentos que culmina com a morte do herói.
[..]
Todas as peças de Gonçalves Dias são, portanto, inspiradas em fatos históricos e têm o desenlace sangrento como ponto comum: em Patkul, o herói morre ao ser incitado por Paikel a lutar nas disputas territoriais; em Beatriz Cenci, o vilão Francisco Cenci é envenenado, mas antes de morrer mata Lucrécia, madrasta e confidente de Beatriz; em Leonor de Mendonça, a protagonista é acusada de adultério e, apesar de inocente, é assassinada pelo marido; e, em Boabdil, o amor de Zoraima e Aben-Hamet é descoberto, e o casal condenado à morte. Além disso, as peças apresentam, de alguma forma, personagens femininas sujeitas ao domínio do pai e do marido. Namry Romhor abdica do amor a Paikel em respeito ao pai que a prometeu a  Patkull; Beatriz deixa-se seduzir pelo pai; Zoraima casa-se com Boabdill por imposição paterna, e Leonor de Mendonça é castigada pelo marido, por um crime que não cometeu.

Ao analisarmos as peças de Gonçalves Dias sob uma linha cronológica, observamos que as duas primeiras, Patkull e Beatriz Cenci, frutos de um espírito jovem, apresentam alguns problemas na estruturação e no entendimento do enredo. Em Patkull, drama composto por cinco atos, o protagonista desaparece no final do ato I e reaparece em cena nos dois últimos atos, quando já está sendo julgado e condenado à morte. Neste entremeio, o triângulo Patkull – Namry – Paikel é substituído por Namry – Paikel – Berta, esta última, dama de companhia de Namry, que havia sido seduzida e abandonada, por Paikel, no passado. Os três habitam a mesma casa na ausência de Patkull, e vivem se acusando uns aos outros. Desta forma, o leitor não tem acesso a um fato muito importante, de perspectiva política, que seria o período de ausência de Patkull enquanto lutava em defesa da Livônia. Além de não ter relatado os fatos históricos ocorridos no período, o autor usa, para preencher a lacuna, um segundo triângulo amoroso de baixo valor dramático. Outro problema da peça, que prejudica o entendimento do leitor, é a forma como Gonçalves Dias refere-se a Namry Romhor, ora tratando-a pelo nome e ora pelo sobrenome, como se fosse uma outra personagem.

---
Fonte:
Ana Cláudia Rôla Santos: “A obra dramática de Gonçalves Dias”. Belo Horizonte, v. 9, p. 11-19, dez. 2005, disponível em: http://www.letras.ufmg.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário