27/12/13

A Capital, de Eça de Queirós

 Eca de Queiros - A Capital - Iba Mendes
Para baixar este livro gratuitamente em formato PDF, acessar o site  do “Projeto Livro Livre”: http://www.projetolivrolivre.com/
(Download)

Os livros estão em ordem alfabética: autor/título (coluna à esquerda) e título/autor (coluna à direita).


---


A (i)legibilidade de Lisboa n'a Capital de Eça de Queirós

[...]

O texto A Capital a visibilidade de Lisboa vai ganhar corpo na encenação do desejo de Artur. A partir de seus sonhos, fantasias e fantasmagorias, personagem e cidade se revelam, numa estranha mistura de imagens contraditórias.

Num primeiro momento, Lisboa é o que o jovem provinciano de educação romântica consegue imaginar:

Lisboa! - Concebia a vida que a enchia, violenta e grandiosa, como um mundo da Comédia Humana de Balzac: era de resto, pelos romances franceses, que reconstruía a sociedade de Lisboa: e não tinha uma idéia menos desproporcionada da sua edificação - imaginando-a de ruas enormes, sonora de trens e flamejante de gás, assentando a sua pompa movimentada sobre a larga baía azul, onde esquadras manobram e salvam as torres de outros séculos! Mas era a existência noturna de Lisboa que o fascinava: imaginava sentir nos cafés entre o ouro dos espelhos balançar-se a sussurração das conversas literárias; via à porta dos teatros apinhar-se uma multidão sôfrega de arte nas praças em redor todas alumiadas, grupos discutirem com sutileza a estética dos poetas e a política dos oradores. Depois parecia-lhe avistar janelas embaciadas de restaurantes, onde artistas e cortesãs celebravam orgias poéticas como galas; e mais longe, os balcões dos salões aristocráticos, de onde saía uma claridade discreta tamizada pelas sedas das bambinelas: aí, imaginava a vida de um mundo superior, em que as faces são pálidas da emoção contínua dos sentimentos romanescos; aí diplomatas, cujos sorrisos têm a frieza da razão de Estado [...]; aí, sentadas em móveis de veludo e cetim, ideais figuras de beleza patrícia respiram ramos de violetas, com olhares onde brilha sob um fluido o ardor dos adultérios: e aí, vivia Clara... E em redor no mistério da vasta cidade, imaginava a existência das personalidades atormentadas do romance ou do teatro. [...] Mas nesta fantasmagoria, entusiasmavam sobretudo o mundo dos jornalistas: era um ruído incessante de máquinas de impressão, salas de redações resplandecentes de penas que correm sobre o papel derrubando ministérios ou edificando glórias e ditos de folhetinistas que têm a profundidade de uma filosofia, na precisão de um aforismo!... E via-se lá, revendo provas, lendo o seu nome em cada jornal, fazendo civilização!

Não faltam fantasmagorias a esta descrição idealizada de Lisboa. No seu desmedido desejo pela Capital, o romântico sonhador - habitante da periferia - não pode adivinhar que existem diferenças entre Paris e Lisboa. Para ele Lisboa deve ser como Paris, i. é, uma referência maior, um ponto de convergência que acolhe todo o seu ideal de cidade.

É importante notar que nessa perspectiva ingênua com que Artur imagina Lisboa estão presentes diferentes alegorias da cidade moderna de que Paris é o modelo: o bulício das grandes avenidas flamejantes de gás; a pompa e o brilho dos cafés; os teatros; a multidão; o ardor e a elegância das mulheres requintadas, sensíveis; a poderosa vida dos políticos e o ruidoso mundo dos jornalistas - enfim, a civilização.

Com essas alegorias - que Eça lhe põe diante dos olhos pela via dos romances franceses -, Artur constrói a sua fantasmagórica cartografia de uma Lisboa desconhecida. Com ela vai viver e esperar que a Boa Fortuna venha ao encontro das suas necessidades. Mas, na distância da província, Lisboa além de objeto do desejo, passa a ser, pouco a pouco, uma necessidade:

Por que não iria para Paris, ser operário, amar uma Mimi republicana do Faubourg St.-Antoine e conspirar contra o Império? Pensou em ir para Lisboa, fazer-se escudeiro numa casa fidalga, onde a sua figura e as suas réplicas profundas lhe dariam bem depressa o amor da senhora condessa ou da mulher do banqueiro... (p. 871).

Lisboa era agora a sua necessidade, o seu ideal, a sua mania (p. 880).

Tudo o que o cercava e o retinha, a casa e a farmácia, lhe parecia então mais odioso: tudo na vila lhe dava uma sensação de obscuridade que o abafava - as ruas que se lhe afiguravam estreitas como as idéias, as fachadas que eram inexpressivas como os rostos: quase detestava aqueles que nunca leriam seus versos, sobretudo aqueles que decerto o desprezavam (p. 881).

A província é um espaço propício para essas desmesuras do desejo por Lisboa. Mas qual Lisboa? A fantasmagórica cidade moderna fornecida pelos romances franceses? Esta ainda é a grande imagem com que Artur povoa a capital. Mas esta imagem vai agora ampliar-se, pois a esterilidade intelectual de Artur leva-o também a imaginar Lisboa como o único lugar propício à criação.

Acusava então desesperado a monotonia da vila triste que o esterilizava. Ah, se estivesse em Coimbra, em Lisboa sobretudo! Lá entre os jornalistas, a Ópera, os poetas, o seu cérebro que agora lhe parecia uma pedra que apesar de muito batida guarda obstinadamente a sua faísca, flamejaria então numa inspiração contínua! Mas não desistia, sustentado por uma ambição histérica de ver o seu nome em folhetins, de ser admirado pelas senhoras sensíveis - e as tias não compreendiam o que ele fazia, passeando até altas horas pelo quarto, consumindo regularmente uma vela de sebo, enquanto Albuquerquezinho, que era doido, esse, no quarto ao lado, ressonava sensatamente! (p. 874).

Essa imagem de Lisboa como paraíso de criação literária é reforçada pelas palavras (muito "Geração de 70") do republicano Damião, antigo colega de Artur no "Cenáculo" de Coimbra.

Tomei devida nota dos seus desesperos românticos. Acho-os patuscos - ainda que inteiramente adequados à tradição lamartiniana. Console-se fazendo um volumezinho de versos (já que as circunvoluções do seu cérebro o levam fatalmente ao verso) - não sobre as estrelas e os lírios (deve deixar essas parcelas de substância aos astrônomos e aos jardineiros) mas sobre o Homem, que é a verdadeira matéria poética moderna. E sobretudo venha para cá. A capital é, no fim de tudo, o único ponto vivo desta fétida lesma morta que se espapa à beira do velho Atlântico, sob o nome desacreditado de Portugal (p. 885).

A Lisboa de Damião ajuda a compor a rede de imagens com que Artur imagina Lisboa. A capital desejada passa a possuir mais esse fascínio: o único espaço propício capaz de inspirá-lo e desenvolver-lhe as faculdades tão necessárias para se conseguir a glória literária, os amores aristocráticos, e... a fortuna. Artur passa a odiar a província.

Na sua espera desesperada pela Capital, não se dá conta de que uma outra Lisboa lhe é apresentada. Uma outra leitura da cidade. São as Lisboas do Joãozinho Mendes, o Chouriço, e a de Rabecaz:

- Pois eu vou-me até à capital!... Desenferrujar!... Se quiser alguma coisa...
- Que se divirta!
- Fica por minha conta! Há de se encher este ventrezinho! E então que vamos ter um rico inverno em Lisboa! Sassi em S. Carlos, cancanistas francesas no Casino... Naturalmente, fornada nova de espanholas... Não lhe digo mais nada... (p. 844).

- O amigo nunca esteve em Lisboa?
- Não - disse Artur.
O Rabecaz deu uma palmada na coxa:
- Então, meu caro senhor, não sabe o que é gado! Não faz idéia do que é um pé catita!
O Rabecaz deu uma punhada na mesa. - Então não sabia o que era a pândega!
Falou imediatamente de si: tinha vivido em Lisboa, ele, com cavalos, com cadeira em S. Carlos, com carruagem!
No tempo em que Madame Ortza era uma beleza, e o Marrare era um céu! Que batidas para as Portas de Algés, que orgias com a Contadini!
- Comi tudo, mas regalei-me! - disse, dando um puxão aos bigodes. Fora um príncipe (p. 878).

Estas duas passagens, que recortam Lisboa a partir de uma nova perspectiva, se aproximam pelo significado de suas imagens mundanas e atualizam uma outra dimensão erótica da cidade. À Capital, refinada e romanticamente idealizada dos romances franceses, acrescenta-se agora uma Lisboa habitada por espanholas e cancanistas propícias a pândegas e a orgias variadas.

Artur amplia o seu mapa fantasmagórico da Capital e, com ele, parte para Lisboa.
Levado por Eça, de Oliveira de Azeméis a Lisboa, Artur tenta pertencer à Capital, esse mundo misterioso e fascinante, povoado de imagens contraditórias, cuja representação fabulosa do desconhecido pode ser sintetizada na expressão "a ilegibilidade da cidade".

Arguto leitor de cidades, o Autor de A Capital não desconhece este intrínseco atributo das cidades - a ilegibilidade. Sabe que Lisboa, como todas as cidades, é de difícil leitura, porque sabe também que toda a cidade, antes de tudo, é marcada pela multiplicidade. A cidade possui variados ritmos e o sujeito ao percorrê-la passa a confrontar-se com "a invasora angústia de que tudo pode acontecer". Espaço do "infinitamente perdido", a cidade resulta, assim, nessa "fantástica acumulação de todos os possíveis".
Os primeiros momentos de Artur em Lisboa revelam essa angústia:

Artur encolheu os ombros, furioso. De resto, observando os homens na rua, já pensara que o seu fato de Oliveira era mal talhado e provinciano: por isso só saiu à noite, depois de aceso o gás.

Com que deleite pisou enfim as lajes ainda úmidas dos passeios, respirou a friagem de inverno, o ar de Lisboa, que, depois do pesadume das ruazitas de Oliveira, lhe parecia ter a vitalidade oxigenada onde se dilatam as faculdades! Embasbacava para as vitrinas alumiadas das lojas; estacava, pasmando para os rostinhos pálidos das mulheres que passavam; voltava-se com admiração para seguir as carruagens de criados perfilados; e da claridade do gás, da vastidão das ruas, a multidão sussurrante, vinha-lhe como que uma sensação de atividades espalhadas, de paixões, de grandezas vagas que o perturbava: era como se a atmosfera estivesse saturada das emanações de uma vida rica, sábia, idealizadora e ardente! Mas sentia-se acanhado: apesar de apetecer prodigiosamente uma gravata azul que viu num mostrador, não ousou entrar na loja; o trotar das parelhas entontecia-o; o andar desenvolto dos homens, falando alto, dava-lhe um medo pueril de agressões; tinha vergonha do seu velho paletó, mais curto que as abas da sobrecasaca que trazia; sentiu-se mesmo agradecido a um sujeito que lhe pediu lume, cortesmente, como se recebesse dele um ato de benevolência. O homem, depois de acender o charuto, disse para outro que esperava, assobiando:


- Para o Martinho, hem?
E Artur foi-os seguindo timidamente, ansioso por ver o Martinho! Pareceu-lhe esplêndido, com a acumulação dos chapéus altos entre os espelhos dourados, sob uma névoa de fumo de tabaco, no bruaá contínuo das conversas. Não se atreveu a entrar. À porta um grupo palrava, e Artur contemplava-o de longe, com devoção, pensando que deviam ser poetas e estadistas... Subiu-lhe então de repente ao cérebro um vapor excitante de emanações intelectuais: teve pressa de entrar naquela existência - relacionar-se, regalar-se das discussões sobre Arte e Ideal, ser também de Lisboa! (p. 912).

Artur quer pertencer a Lisboa, entender a cidade e possuí-la:

Foi então descendo ao acaso o Moinho de Vento, e ao passar por S. Pedro de Alcântara, penetrou sob as árvores e foi encostar-se às grades. A cidade cavava-se em baixo, no vale escuro, picado dos pontos de luz das janelas iluminadas, e, na escuridão, os telhados, os edifícios, faziam um empastamento de sombras mais densas. Aquelas luzes, debaixo daqueles tetos, que fermentação de vida! Quantos amores, quantos mistérios, crimes talvez! Ali, jornalistas compunham artigos, oradores preparavam discursos, estadistas conferenciavam, mulheres aristocráticas, nas suas salas, falavam de amores, e, nos pianos ricos, gemiam as cavatinas apaixonadas. Que grande, Lisboa! (p. 913).

Mas como entender esse labirinto?

Uma cidade ajuda a ler a outra, o que é preciso é possuir um código que nos ajude a recortar e recolher imagens para engendrar a sua legibilidade. Um mapa pode ser um primeiro caminho, mas o mapa é mais uma representação simbólica da cidade, é um recorte de superfície, não coincide com ela. É apenas uma de suas linguagens. Eça não desconhece essa restrição porque sabe que para ler uma cidade é necessário trabalhar com a sua sintaxe, transitar em sua rede de sentidos.

Mas a Lisboa que vamos encontrar em A Capital não é uma cidade articulada apenas pela leitura do autor. O itinerário é mais complexo, já que construído por leituras em cruzamento. Existe a Lisboa lida e escrita por Eça e existe, em contraponto, a leitura que Artur faz da cidade. Elas não são coincidentes porque cada olhar demanda um certo tipo de legibilidade.

A Lisboa de Eça, de certo modo, está sintetizada na nota de apresentação: "Pinturas um pouco cruéis da vida literária em Lisboa". A passagem abaixo pode servir de amostragem:

Tinha-se servido o café e uma vozearia erguia-se no fumo alvadio dos charutos. Com os cotovelos na mesa, em atitudes pesadas de fartura, sujeitos falavam com intimidade; ao fundo da sala, numa altercação áspera, um indivíduo de lunetas gritava, perguntando se o tomavam por tolo; um homem de pele corada, enfartado, arrotava tranqüilamente; o Padilhão queimava conhaque no café, e o Melchior, excitado, discutia com o visconde, com palavras muito cruas, as pernas da Vizenti, a primeira dançarina de S. Carlos (p. 930).


---
Fonte:
Izabel Margato (PUC-Rio): “A (i)legibilidade de Lisboa n'a Capital de Eça de Queirós”, publicado em: http://www.letras.puc-rio.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário